Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Cá por casa...

Falei-vos no domingo de uma das tradições que não falta na minha Páscoa.

Cá em casa celebramos sempre esta quadra, em família, e nunca pode faltar o folar, o borrego e uma ida ao campo, este último, um costume alentejano que leva muitas famílias a fazer piqueniques (para não dizer verdadeiros banquetes) nesta altura do ano. Contudo, devo confessar-vos que a minha família, ainda que seja católica, não é praticante, ou seja, não vamos muito à igreja e, parece-me a mim, cada vez mais aproveitamos as celebrações religiosas para estar juntos e festejar, isso sim, o amor que nos une. É mau? É bom? É hipócrita? Não sei, julgarão vocês como bem entenderem.

 

Mas num país que se diz laico e que dedica metade dos seus feriados a uma única religião é difícil não sermos todos um pouco hipócritas, não acham?

 

Esta Páscoa não foi exceção, estivemos juntos (ainda que não todos, por estarem a trabalhar), comemos e divertimo-nos à nossa maneira. Imaginem que o jantar de domingo acabou em cantorias e cantorias tradicionais do Alentejo.  E nenhum de nós tem a voz afinada. Foi um fartote de rir.

Deixo-vos aqui uma das músicas que mais cantámos. Espero que gostem.

 

 

 

 

 

 

 

7 comentários

Comentar post