Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Consequências dos centros de saúde

Nos centros de saúde o tempo passa de forma muito mais lenta. Os minutos parecem estar todos aleijados e teimam em não andar, mas arrastam-se.

Nos centros de saúde os que estão doentes definham mais depressa, vão perdendo forças à medida do tempo que passam colados às cadeiras que por lá se encontram e desesperam.

O mobiliário dos centros de saúde, assim que trespassou a porta de entrada, perdeu toda a cor, por isso os centros de saúde são autênticas telas desprovidas de qualquer tinta.

Nos centros de saúde os acompanhantes perdem muito mais rápido a paciência e deixam de falar, passam a comunicar só através de sopros e suspiros.

Os médicos dos centros de saúde, coitados, também estão doentes, contaminados pelas filas intermináveis de enfermos à sua espera.

Os seguranças que trabalham nos centros de saúde fazem tudo, menos assegurar a estabilidade do local.

Os enfermeiros dos centros de saúde gostavam de não saber o que é um centro de saúde.

E os próprios centros de saúde gostavam mais de ser uma repartição das finanças, porque pelo menos a esse serviço as pessoas vão quando estão plenas de força, para puderem reclamar até que lhes doa a alma e necessitem de ir ao centro de saúde.

10 comentários

Comentar post