Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Este vídeo tem de ser visto por todos!

Uma menina de 17 anos, espanhola, a frequentar o ensino secundário decidiu fazer uma curta metragem para entrar num concurso da sua escola, Alicia Ródenas Sánchez, assim se chama ela, utilizou um texto de Ro de la Fuente que fala sobre a violência machista a que todas as mulheres são sujeitas. 

Do alto dos seus 17 anos, Alicia fez uma interpretação poderosa, incapaz de deixar seja quem for indiferente e ainda bem, porque esta temática merece toda a atenção que lhe possamos dar. 

 

Assistam com atenção e digam-me de vossa justiça. 

 Ahora o Nunca

 

 

 Alicia, a câmara e um fundo escuro são quanto baste para nos prender e angustiar ao longo de pouco mais de 5 minutos. 

 

Deixo-vos aqui algumas frases por ela proferidas e livremente traduzidas (agora) por mim:

«Tão engraçados, os miúdos, a levantar as saias, são coisas de miúdos.»

«Não sejas tão bruta a brincar, pareces um menino.»

«As meninas não gritam, cala-te!»

«Se te veem a brincar com os rapazes vão chamar-te Maria-Rapaz.»

«Deixa de queixar-te!»

«Assim vestida pareces uma puta.»

«O que é que se passa? Estás menstruada?»

«Vomitas para emagrecer? Que superficial, a beleza está no interior.»

«Olha, olha a gorda. Vai àquela. São mais fáceis porque estão desesperadas.»

«Fodes com todos. Puta!»

«Não queres ser mãe? És demasiado jovem para saber. Vais perder o mais importante da tua vida.»

«O que há para jantar? O que há para comer? Onde estão as toalhas? Não me passas-te a camisa?»

«Esse tipo trata-te bem, o que é que queres mais?»

«Para de chorar que já! Que já és grande.»

«Se não fosse eu, tu não eras nada!»

«Não me deixes ou mato-te!»

 

 

 

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post