Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Há mar em mim

Este é um blog onde cabe um pouco de tudo. Imenso como o mar. Haverá opiniões, ideias, fotografias, textos rabiscados, será uma extensão de mim. Se chegou até aqui, detenha-se e sinta-se bem-vind@.

Poderá um objeto ser mais que isso?

Já alguma vez fizeram uma mudança de casa? Já passaram pelo processo de ver todos os vossos objetos pessoais empacotados? Eu já passei por isso, mais do que uma vez, e tive a estranha sensação de ter a minha própria vida metida em caixas. É estranho, mas ligamo-nos a certos objetos de uma forma quase transcendental, vai muito além daquilo que são, passam a ser aquilo que fazemos deles. As memórias que nos trazem, os sentimentos que voltamos a sentir quando lhe tocamos.

 

Não o posso negar, sempre me considerei um pouco saudosista e com isto não quero dizer que fico agarrada ao passado, pelo contrário, porque não sou pessoa de pensar nos "se's", mas muitas vezes sinto saudades dos momentos que me fizeram feliz e ter objetos que me ligam, de alguma forma, a essas memórias faz com que me sinta mais preenchida, digamos assim.

 

É verdade que a vida não é feita de coisas, mas sim de momentos e pessoas que os vivem connosco e que lhes dão significado, contudo, é inevitável que transportemos do nosso passado algo palpável, algo que nos lembre que foi real e não um belíssimo sonho.

 

Já me aconteceu, felizmente mais que uma vez, estar a viver um momento tão plenamente, sentir-me tão feliz com o que acontece à minha volta, que dou por mim a pensar: "caramba, aproveita bem porque amanhã já vais sentir saudades".

2 comentários

Comentar post