Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

23
Jan17

Segunda-feira

C.S.

As segundas-feiras nunca são fáceis. Mas há segundas que são ainda piores do que aquilo que possamos imaginar. Hoje é uma delas, julgo eu. Para mim esta segunda-feira vai ser uma verdadeira filha da puta prova de fogo. Tudo bem, eu aguento.

 

Ainda estará para vir a segunda que mande em mim. Ainda está para nascer a segunda que me vença, que me tire o sorriso e a vontade de planear. Esta, de janeiro, gelada e solitária, não será uma delas, porque eu não o permitirei. Sorrio. Respiro fundo. Vai ficar tudo bem.

 

12794609_1108064565900036_7562531867856141119_n.jp

 P.S.: Esta foto tirei-a nos Açores, em São Miguel, e de alguma forma parece-me que se encaixa nestas palavras e sentimentos enleados. Boa semana.

22
Jan17

Um filme que vale a pena ver

C.S.

 Por estes dias vi um filme cujo título é Sold, parece que o filme já é de 2014, mas só agora me deparei com ele. Tenho a sensação que não teve direito a muita publicidade, (mas isto é especulação minha, sem muito fundamento), pelo menos se compararmos com as grandes produções de Hollywood.

Trago-vos esta sugestão porque espelha uma dura realidade, o tráfico de crianças. Não é um filme que se vê de animo leve, mostra o desespero, a dor, a vergonha, a tristeza, mas também a esperança de uma menina de 12 anos que vê a sua realidade mudar da noite para o dia, conhecendo o inferno que este nosso mundo pode ser.

 

21
Jan17

Para tornar este primeiro dia da era Trump mais leve...

C.S.

 Já muito se disse e escreveu sobre o que aí vem. Eu, pessoalmente, que sou uma pessoa que vê sempre o copo meio cheio, que é como quem diz, olho para tudo com otimismo, neste momento não creio que venham aí dias fáceis e quem vai acabar por sofrer são os mesmos do costume. E o planeta, claro, porque Trump não acredita no aquecimento global (?????) e só pensa no seu próprio umbigo.

Por isso deixo-vos uma das minhas músicas preferidas, de um dos filmes que mais adoro. Este tema, Society, do filme de Into the wild (2007) mete o dedo na ferida e questiona-nos: não viveremos nós sempre a desejar mais do que aquilo que, na verdade, precisamos para ser felizes?

Se apreendêssemos a viver de forma mais simples de certeza que não estaríamos à beira da rotura. Bom sábado e apreciem a fantástica e ingualável voz do Eddie Vedder. :)

 

20
Jan17

Alguém me ajuda?

C.S.

Tenho de partilhar convosco algo que me anda a atormentar, pois não encontro nenhuma explicação para esta nova moda. Até há uns tempos atrás o Facebook conhecia dois tipos de pais, os que não querem que os seus filhos apareçam na rede e, por isso mesmo, nunca colocam fotos com eles ou, se o fazem, aparece só uma mãozinha ou um pézito, e depois há aqueles que gostam de mostrar ao mundo como os seus filhos são lindos e, vai daí, toca de encher o face de crianças amorosas. Nada contra nenhum dos casos, os pais tomam as decisões sempre a pensar no melhor para os seus filhos. O que acontece é que ultimamente surgiu um terceiro tipo de pais e são estes que me tiram o sono. Abro o Facebook e lá está uma foto com a seguinte legenda: "eu e a minha princesa linda" . E a princesa linda tem corpo de seis meses e no lugar da cabeça tem um emoji gigante com a língua de fora. Ou a seguinte descrição, também ela muito comum: "digam lá se o meu pequenino não tem o sorriso mais lindo do mundo" . E lá está, uma vez mais, um corpo de um menino de 2 ou 3 anos com um emoji de corações rosa no sítio dos olhos. Alguém me pode explicar este fenómeno para eu puder voltar a visitar o Facebook sem sentir vontade de arrancar todos os cabelos ou atirar com o tablet ao chão? Obrigada :)

19
Jan17

A nova polémica a envolver professores

C.S.

Adoro o nosso país. Como não adorar? Portugal é um país fantástico, dono de uma enorme diversidade, apesar da sua pequenez. Tem uma costa maravilhosa e um interior sempre pronto a receber bem quem o decida visitar. Mas há coisas no nosso país que me irritam, que me magoam e que são, para mim, difíceis de compreender. Uma delas é a perseguição que há neste país aos professores. Uma profissão que em temos já foi tão digna e respeitada é vista hoje em dia como um dos parasitas da sociedade.

Na verdade não sei bem quando isto terá começado e se terá tido um único porquê ao qual possamos apontar o dedo, mas a verdade é que esta profissão parece ter-se tornado no parente de que ninguém gosta, alvo de imensas críticas, quase todas destrutivas e quase todas sem conhecimento de causa.

A mim parece-me que a opinião pública tem sido muito influenciada pelos meios de comunicação e, neste momento, está instalada mais uma polémica, que procura denegrir o trabalho dos professores na praça pública.

Quero desde já dizer que acho, como a maioria dos portugueses, que os valores que as famílias gastam em manuais escolares é absolutamente exorbitante, que acho que, à semelhança do que acontece noutros países da europa, os alunos deveriam ter acesso aos manuais de forma gratuita nas escolas públicas e que estes deveriam ter uma durabilidade muito maior do que aquela que têm.

Dito isto, tenho de vos confessar que acho uma tremenda idiotice que se ande a acusar os docentes portugueses de se deixarem comprar pelas editoras. E acho-o, pura e simplesmente, porque é uma extraordinária mentira. É verdade que antigamente as editoras ofereciam aos professores um modelo do manual do professor, para que estes pudessem escolher, tal como está previsto na lei, qual o manual com que se trabalhará em determinada escola durante um ciclo de seis anos, (creio). Hoje em dia as coisas já não funcionam assim, as editoras não oferecem o manual a todos os professores que lecionam aquela disciplina, disponibilizam-no aos que participam numa pequena ação de formação e, aí sim, depois disso têm acesso, única e exclusivamente, ao manual, que muitas vezes nem é uma versão concluída. Nada de iPads, iPhones, viagens ou manuais para os filhos.

Não me interpretem mal, não estou a defender as editoras e muito menos a dizer que a forma como este mercado se desenvolve em Portugal é a mais correta. Acho que as editoras, com o aval do ministério da educação, têm nos manuais escolares uma mina de ouro. O que estou a tentar explicar é que acusar todos os professores portugueses de se deixarem comprar pelas editoras é uma completa palermice. Muito longe da realidade e sem qualquer fundo de razão.

Basta que visitem a escola pública que tenham mais perto da vossa residência e vejam o que por lá se passa. Depois contam-me se o que viram por lá foram professores que vivem de forma desafogada, envoltos em novas tecnologias e produtos topo de gama, ou se, por sua vez, se depararam com pessoas que fazem o melhor que podem e sabem, com os meios que as escolas lhes disponibilizam, que têm um número de fotocópias limitado por ano letivo, que muitas vezes levam o seu computador pessoal para poderem trabalhar em condições e, até, tantas vezes levam marmita com comida que aquecem no micro-ondas da sala de professores, se por acaso, existir esse luxo, para puderem poupar algum dinheiro, que acabam por gastar em gasóleo, devido à distância a que trabalham das suas casas.

dia_escola.jpg

 

17
Jan17

Pensamento do dia

C.S.

Dou por mim enumeras vezes, quando estou a fazer zapping ou a ver fotos antigas, a achar que as pessoas, de um modo geral, estão muito melhores atualmente que há uns anos atrás. Espero ter 80 anos e continuar a achar o mesmo e, já agora, que o pensamento se estenda também à minha pessoa. :)

16
Jan17

Marrocos, o primeiro país Islâmico a proibir a burqa

C.S.

flock-801787_960_720.jpg

Li este fim-de-semana, (aqui: http://expresso.sapo.pt/internacional/2017-01-14-A-proibicao-da-burqa), que Marrocos proibiu oficialmente o uso e comercialização da burqa. Esta notícia tem ainda mais impacto por se tratar de um país Islâmico e que vê no uso da burqa uma oportunidade para o crime crescer, já que, dadas as características da indumentária, é impossível saber quem está debaixo de tal traje.

Eu fiquei feliz com esta notícia porque considero ser um passo importante. Acho o uso da burqa uma verdadeira afronta aos direitos da mulher. Por muito que se diga que a mulher até pode estar de acordo com o uso desta vestimenta, por questões religiosas ou tradicionais, a verdade é que eu não consigo deixar de pensar que esta foi apenas mais uma forma que o homem inventou para subjugar a mulher. Desconfio que não há nenhuma forma divina, (Deus, Alá, Shiva…o que for), a exigir que a mulher saia à rua completamente irreconhecível, apagada de qualquer identidade. Acredito, também, que se alguma mulher julga que concorda com estes princípios o faz por medo. Medo de enfrentar o marido, o pai, as regras da sua sociedade.

Algo que me surpreendeu ainda na notícia do Expresso (pois era um dado que eu desconhecia totalmente), foi descobrir que nos anos 60 e 70, em países como o Irão e o Afeganistão, as mulheres vestiam-se com liberdade, ou seja, podiam usar biquíni, minissaia, vestidos e tudo aquilo que lhes aprouvesse, até podiam andar com os cabelos ao vento. Ora, se assim era, o que mudou? O que mudou foi a ascensão dos fundamentalistas islâmicos, que entre muitas outras coisas horríveis, voltaram a aprisionar os direitos das mulheres, guardando-lhes um papel completamente submisso.

Há dias em que é difícil acreditar que o mundo pode melhorar, basta olhar à nossa volta, ver as notícias na tv ou ler as gordas de um qualquer jornal, vivemos tempos controversos, onde o ódio parece ganhar terreno, mas depois acontece algo que nos faz manter a esperança. Eu vou acreditando. Continuo a acreditar que a humanidade conseguirá sobrepor o bem ao mal, parece um pensamento muito infantil, mas temos de nos agarrar a ele, pois no fim de contas tudo se resume entre o bem e o mal, o certo e o errado.

 

13
Jan17

O Algarve não é só mar

C.S.

O Algarve não é só mar. Eu sei-o, vocês também, mas por vezes esquecemo-nos. E esquecemos porque, de facto, as praias algarvias são maravilhosas e são elas o sustento do turismo no Algarve.

Contudo, é bom que não esqueçamos que o Algarve também são as pessoas que por cá andam, muitas delas filhas da terra, mas muitas outras (como é o meu caso) filhas de outras terras, mas que criaram raízes aqui. O Algarve é feito de brisa marinha, sim, mas também de laranjas, amendoeiras e medronho. O Algarve é feito de serra, muita serra, que esconde recantos que a maioria dos portugueses (arrisco-me eu a dizer) não conhece. E também ela merece a nossa admiração, o nosso respeito e a nossa contemplação. A serra de Monchique, no verão de 2016, sofreu com um dos muitos incêndios que devastaram o nosso país. Um dia destes passei por lá e fiquei muito contente ao ver que a vegetação já está, literalmente, a renascer das cinzas e não pude deixar de me questionar se quem ruma ao Algarve nos meses de verão se lembra deste outro Algarve.

Esta terra, que para muitos é sazonal, na verdade tem beleza todo o ano, seja na sua costa, seja nos sítios mais remotos. A sensação que por vezes temos, os que por cá vivem, é que o Algarve funciona a meio gás de outubro até ao final de maio, com uma única interrupção, no final de cada ano civil, feita por aqueles que procuram fogo-de-artifício numa praia qualquer.  

15995501_1357065944333229_668560290_n.jpg

 

Esta terra não é perfeita, porque a perfeição é um conceito abstrato e variável, porém tem encanto suficiente para que não seja lembrada apenas na loucura de julho e agosto.

 

Deixo-vos uma foto que tirei no castelo de Aljezur. Sabiam que Aljezur tem castelo? :)

12
Jan17

A música portuguesa

C.S.

Quanto a vocês não sei, mas eu sou fã da música portuguesa, sempre fui. Passei a adolescência a ouvir Rui Veloso, Jorge Palma, Rio Grande, algumas vezes Sérgio Godinho. E hoje fico muito feliz pela música portuguesa estar a atravessar um momento muito feliz e saudável.

Deixo-vos um vídeo de uma das bandas nacionais que mais admiro, eles começaram meio a brincar e meio a brincar conquistaram o seu espaço, são hoje uma referência e estão, neste momento, a passar por uma mudança, que avaliando por o mais recente single, só nos deixa motivos para sorrir. Com este Fundo da Garrafa Os Azeitonas dizem que nos contam a história do vilão que não fica com a miúda no fim. Pois eu acho que se todos os vilões tivessem uma banda sonora destas era um perigo, toda a gente se apaixonava por eles e o mundo teria sérios problemas. Dominariam as gargalhadas assustadoras e o mundo viveria em constantes ameaças de ser conquistado por um lunático qualquer.  

O que é uma verdadeira delícia, também, é assistir ao vídeo, pois parece que estamos perante uma curta-metragem à séria e ficamos hipnotizados por aquele ser animado e toda a tristeza que carrega consigo.

Caramba, que vontade de ir afogar as mágoas em whisky! :D

 

11
Jan17

Hygge, a nova moda

C.S.

Uma das coisas que mais gosto no facebook é as notícias irem-me surgindo, enquanto vou vendo o que este e aquela andam agora a fazer, e eu tenho a possibilidade de abrir e ler aquelas que quero, umas de temas mais sérios, outras mais leves, mas tenho consciência de que é através do facebook que eu me informo preferencialmente nos dias que correm, isto porque sigo os principais jornais e revistas nacionais e alguns internacionais também.

A visão é uma das revistas que mais leio, até porque me vai possibilitando ler as maravilhosas crónicas do Lobo Antunes e as opiniões do Ricardo Araújo Pereira. Esta manhã, estava eu a beber o meu café e deparo-me com um artigo da Visão que falava de qualquer coisa que dá pelo nome de Hygge. Curiosa como sou e parecendo que aquilo se tratava de um qualquer segredo dinamarquês, li o artigo todo e dei por mim a sorrir e a achar aquilo tudo muito certo, mas um verdadeiro disparate.

Os dinamarqueses são, há anos, considerados um dos povos mais felizes, certo? Todos sabemos e até ficamos surpreendidos, pois têm poucas horas de sol no inverno, etc., etc. E agora vem o Hygge. O que é isto afinal? Parece que há uma série de pessoas a aproveitar-se da felicidade dos dinamarqueses, mas sobretudo da infelicidade de todos os outros e que vê aqui um mercado, qual banha de cobra. Querem empacotar das mais variadas formas a felicidade e comercializá-la, procuraram um conceito para a felicidade dinamarquesa e agora há livros com teorias de tudo e mais alguma coisa.

Ao que parece, para sermos felizes temos de usar todos os sentidos, escutar o silêncio ou o barulho da chuva, sentir o calor de uma lareira, beber um chá quentinho, comer bolo com cobertura… É só a mim que isto dá vontade de rir? Pergunto eu, serão os dinamarqueses os únicos a fazer estas coisas? É que eu gosto muito de estar no quentinho, a ver um bom filme e se este vier acompanhado de uma chávena de chá e uma fatia de bolo caseiro, tanto melhor.

O mais incrível do artigo que a Visão publica é que logo nas primeiras linhas está a verdadeira chave do segredo dinamarquês: “Têm bons salários, saúde e educação públicas, baixo nível de corrupção, igualdade entre homens e mulheres, (…).” Querem mais? Aqui reside o verdadeiro Santo Gral, a Dinamarca é um país equilibrado, sem desigualdades, sem corrupção e onde as instituições públicas funcionam, o resto são teorias que os oportunistas estão agora a começar a descobrir. Já eu, tenho cá para mim, que a juntar ao paraíso político e económico em que vivem os dinamarqueses se lhes dessem umas das belas praias algarvias, eles não eram felizes, eram super guerreiros da felicidade.

 

P.S.: Deixo aqui o link para quem quiser ler a notícia da Visão: http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2016-12-31-Sabe-o-que-e-o-hygge-o-segredo-dinamarques-para-a-felicidade-

 

InstagramCapture_bfc26942-19b3-45f2-b1cf-e7c6fb401

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D