Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

há mar em mim

Sexta feira fresquinha :)

26.05.17 | C.S.

Bom dia a todos!

 

Ontem andei desaparecida do mundo virtual (vou invocar motivos pessoais.ahahah...) e tenho uma série de comentários para responder (vou tratar do assunto durante o dia de hoje).

De qualquer forma, agradeço-vos muito o facto de se manterem por aí, mesmo que a minha disponibilidade não tenha sido tanta. Mas garanto que isto é uma fase e, em breve (espero eu), a nível profissional a loucura das últimas semanas vai acalmar. 

 

Hoje o dia está fresquinho e eu devia estar feita num oito, mas surpreendentemente sinto-me bem e de coração cheio, é o que importa. E afinal já é sexta e este dia da semana tem a poder de melhorar tudo. 

 

 

Conversas à hora de almoço...

25.05.17 | C.S.

Ontem, como todos os dias da semana, almoçava em mesa redonda com as pessoas habituais e, a dada altura, uma colega que eu acho que é o oposto de mim e que às vezes mexe com o meu sistema nervoso disse o seguinte:

- Eu adoro visitar cemitérios. É que adoro mesmo a arquitetura dos cemitérios, creio que as sepulturas contam as histórias das pessoas que ali estão.

- Como? O quê? O que é que disseste? - interroguei eu, enquanto lutava para que não me saísse frango pelo nariz.

 

(Imagem aqui)

Não sou a única a achar isto estranho certo? Quando dei por mim já estava a dizer: Não contam nada. O que ali está é uma pedra, escolhida pelos vivos que ficam e paga com as possibilidades que têm, achar que isso conta uma história é um perfeito absurdo, até porque nas lápides ficam escritas frases feitas, normalmente a engrandecer a pessoa que faleceu.

Escusado será dizer que a minha colega amuou e disse: "É a minha opinião.".

Certo. Opiniões não se discutem. Fica lá com a tua...

5. Às quintas viajamos...

25.05.17 | C.S.

Bom dia, gente gira!

Preparados para mais uma viagem?

 

(Imagem aqui)

 

Vamos entrar no segundo mês de vida desta rubrica e já era altura de trazer um convidado do sexo masculino, não é verdade?

 

Tenho de vos confessar que ele tem um dos blogs que mais gosto de seguir, (ainda que não tenha tempo de o visitar todos os dias) , porque eu adoro fotografia e as que ele tira são sempre qualquer coisa de extraordinário.

Para além disso, alia o gosto pela fotografia ao gosto por viagens... já estão a adivinhar que vem aí uma viagem fantástica, certo?  Daquelas que nos enchem de inveja e vontade de gritar a plenos pulmões: Eu também quero! 

Já adivinharam quem é o convidado de hoje no Há mar em mim? É, claro está, o João Freitas Farinha - Fotografia. Querem um conselho? Se não conhecem blog dele visitem-no, tenho a certeza que vão adorar e não se irão arrepender.

 

 

É difícil escolher uma só viagem. Cada destino nos marca de alguma maneira, todas cidades têm a sua personalidade própria.

 

O primeiro impulso foi escrever sobre a Argentina. É a minha viagem mais recente e também a mais memorável. Pela variedade dos locais que visitei, as paisagens esmagadoras, a vida vibrante das cidades, e pela alegria contagiante das pessoas.

 

Mas talvez por lhe ter dedicado vários posts nos últimos meses, quis escolher outra. Que também foi uma experiência incrível.

 

Foi em Dezembro de 2010, que fiz a minha primeira grande viagem sem os meus pais. Eu e quatro amigos, rumo à América do Norte. Em duas semanas, visitámos Chicago, Detroit, Toronto, as Cataratas no Niagara, Boston e Nova Iorque. Numa viagem de carro em que percorremos mais de 2000 quilómetros.

 

12.jpg

 

Aconteceu de tudo, desde nevões a um tanque de gasolina quase vazio, quando estávamos perdidos no meio do nada. Mas sobretudo houve animação, diversão e o prazer da descoberta.

 

Surpreendeu-me a contagiante afabilidade e boa disposição insuperável dos americanos. Aconteceu várias vezes virem ter connosco a oferecer ajuda, enquanto olhávamos para mapas, meio perdidos. E muitas vezes levavam-nos aos próprios sítios, ou sugeriam alternativas mais acertadas. Ou fazerem poses cómicas quando estávamos a fotografar. Um americano até pode estar a ter um mau dia, mas a maioria, tem sempre tempo e ânimo para um sorriso e uma palavra simpática.

 

Dos destinos que escolhemos visitar, é impossível escolher um. Em todos vivemos experiências diferentes, todos valeram a pena, à sua maneira.

 

Chicago é uma cidade cosmopolita, vibrante e elegante. Uma loucura para qualquer amante de arquitectura. Chicago respira arte, cultura e qualidade de vida, com vários parques e um aproveitamento exemplar da relação privilegiada com o lago Michigan, com os canais que entram pela cidade.

 

3 (2).jpg

2 (2).jpg

1 (2).jpg

 

Detroit era na altura, e ainda é, uma cidade a meio gás, depois da crise ter levado muitos dos postos de trabalho. Degradada, suja, com muito edifícios abandonados. Mas mesmo aí encontrámos muita vida, e uma vontade de prevalecer apesar das dificuldades, que espelha um sentimento muito americano. E foi também em Detroit que tivemos uma das experiências mais memoráveis da viagem, ao assistir a um incrível espectáculo de Jazz num pequeno bar da cidade.

 

4 (2).jpg

 

 

Toronto é uma cidade muito simpática. Claramente mais tranquila que as grandes cidades americanas, mas também com muito para ver. Vive-se bem em Toronto, e isso é notório enquanto se vagueia pelas ruas.

 

8.jpg

As Cataratas do Niagara foram a única desilusão da viagem. Não sei bem o que esperava, mas não me impressionaram grandemente. O tempo também não ajudou, é certo. E o facto da cidade em volta ser uma espécie de mini Las Vegas menos ainda.

 

6.jpg

 

Boston talvez tenha sido a cidade que mais me surpreendeu. Sendo uma cidade marcadamente americana, nota-se uma grande influência europeia, na arquitectura. Mais uma vez, uma cidade muito agradável, com muitos parques e museus de qualidade. Com uma grande tradição académica, e por isso sempre cheia de jovens e animação.

 

9.jpg

 

E depois Nova Iorque... A cidade que não tem nada a ver com qualquer outra do mundo. Porque tem o mundo todo dentro de si. Todos já visitámos Nova Iorque, em inúmeros filmes e séries de televisão. E sim, aquela cidade é isso tudo. Mas é também muito mais. Tem uma energia muito própria, electrizante. A arquitectura, a oferta cultural e artística, a vida nas ruas, é tudo em grande. É tudo numa escala que nos faz sentir pequenos, mas ao mesmo tempo, que pertencemos ali.

 

10.jpg

11.jpg

 

Muito mais havia para contar desta viagem. Mas o post já vai longo, e é altura de devolver o blog à C.S.

 

Obrigado pelo convite!

 

Digam-me lá que isto não é maravilhoso? Que contente que estou por ter iniciado este projeto aqui no blog, todas as quintas feiras vou a um lugar diferente e conheço um pouco mais de cada um dos que por aqui vão passando

 

Obrigada ao João, por esta maravilhosa viagem. Acho que todos já pensámos em ir um dia aos Estados Unidos, eu sonho e, sobretudo, com uma ida a Nova Iorque. Um dia não me escapa...

 

Dermografismo, alguém sabe o que é?

24.05.17 | C.S.

Já ouviram falar em dermografismo?

É um tipo de urticária, também conhecida como urticária de contacto e já me acompanha há uns cinco anos.

Não me sabem dizer ao certo o porquê de ter surgido, mas a verdade é que quando troquei a minha zona de residência (do Alentejo para o Algarve) começaram a surgir uma série de alergias e o dermografismo veio por arrasto, infelizmente. (Altos preços a pagar por querer ter o mar mais perto...)

Esta condição causa imensa comichão e quando a pele é friccionada aparecem vergões, juntamente com vermelhidão e borbulhas, em qualquer parte do corpo. Não há cura, pode desaparecer ou deixar de se manifestar durante largos períodos de tempo ou pode ficar para sempre.

É algo assim parecido com isto:

(Imagem aqui)

É verdade que isto não é grave, na medida em que a minha vida não corre qualquer risco, mas deixem que vos diga que também não é um mar de rosas. Há alturas do ano em que isto anda mais controlado, (atenção, falo-vos com base na minha experiência, com outras pessoas pode ser ligeiramente diferente), mas existem épocas em que o meu desespero é grande.

A única forma de controlar isto é tomando anti-estamínicos, que é coisa que não me agrada andar a fazer constantemente, só mesmo quando estou em desespero de causa.

Quando é que isto se torna pior? Nestas situações:

- com água muito quente;

- quando alguém nos agarra com um pouco mais de "força";

- com roupa mais justa (e parece que agora as marcas fazem as calças cada vez mais justas...);

- quando saímos do banho e estamos mais à pressa e nos esquecemos que temos de limpar a pele com mil cuidados;

- quando a pele não está suficientemente hidratada;

- em situações de stress ou muito emotivas (este último ponto chateia-me bastante, porque não basta estar nervosa - seja com o que for - e o meu corpo ainda decide evidenciar esse facto.

 

Por exemplo, quando fui fazer provas de vestidos de noiva, à Pronoivas, (a única loja que visitei, pois apaixonei-me com facilidade), o primeiro vestido que experimentei tinha umas aplicações que, claro, passaram-me na pele ao enfiar o vestido. Às tantas a senhora que me estava a ajudar soltou um gritinho e pediu-me mil desculpas, em pânico, pois pensava que me tinha arranhado toda (nas costas) e ela nem unhas tinha. Então, lá tive que acalmá-la e explicar-lhe que o problema era da minha pele, que tinha sido o vestido e não ela e que sempre que experimento roupa passo por aquele tormento.

 

Como vos digo, isto não é nada, mas é chato e incómodo e às vezes a sensação de comichão e queimadura é tão grande que fico com lágrimas nos olhos. Nessas alturas encho-me disto (ajuda bastante!):

(Imagem aqui)

 

Gostava de saber se anda por aqui alguém que sofra do mesmo mal. Se souberem dicas, tiverem sugestões, mezinhas ou o que seja, partilhem se faz favor. Pode ser que resultem também comigo.

Sinto-me de rastos!

24.05.17 | C.S.

Esta é a mais pura verdade.

Tenho trabalhado muito. Demasiado. Mais horas do que devia e sinto-me de rastos. Não tenho dormido um sono de qualidade e acordo cansada.

Nesta fase sinto que não vivo, sobrevivo e o que eu gosto mesmo é de viver.

Sinto que preciso de férias urgentemente. O problema é que o urgente ainda vai ter de esperar mais de um par de meses.

 

(Imagem aqui)

 

Desabafos à parte, desejo-vos uma ótima quarta feira e espero que se encontrem em melhor estado que eu.

 

Não há palavras...

23.05.17 | C.S.

Quando nos faltam as palavras,

trememos,

sentimos um arrepio que nos percorre o corpo todo. 

 

Quando nos faltam as palavras,

ficamos com cara de tolos

e os olhos aterrorizados.

 

Quando nos faltam as palavras,

aparece um nó na garganta

e um vazio insuportável na cabeça. 

 

Quando nos faltam as palavras,

o medo apodera-se de nós,

consome-nos e ficamos sem saber para onde ir.

 

Ainda há sítio para onde ir? 

 

 

Quando as vítimas são crianças que estão num local a concretizar um sonho, (ver um ídolo ao vivo), as palavras faltam sempre!   

Toca a trabalhar esses abdominais!

23.05.17 | C.S.

Quem por aqui vai passando já compreendeu que no Há mar em mim, sempre que posso, gosto de vos incentivar a trabalhar os abdominais, recorrendo a algo que está cientificamente comprovado que resulta a 200%...o riso!

 

O desafio para hoje é: assistir a este vídeo sem rir! (Quero saber quem será capaz de tal proeza.)

 

 

2 em 1...com um dia de atraso!

23.05.17 | C.S.

Parece que ontem toda a blogosfera falou de dois temas: vestimentas dos Globos tugas e dia do abraço.

 

Eu deixei a poeira assentar e decidi opinar hoje. Só naquela... "Ah...agora que já toda a gente disse o que tinha para dizer, vou também eu mandar uns bitaites, porque eu também gosto de tecer comentários...".

 

 

(Imagem aqui)

 

Vamos, em primeiro lugar, ao tema mais simples, os abraços. O que tenho eu a dizer sobre isto? Que são muito bons, têm poderes curativos e quanto mais apertados melhor. Que devem ser dados sem qualquer pudor e sempre que tenhamos vontade. Um abraço sincero pode dispensar palavras e dizer imenso sobre vocês, portanto, se querem um conselho da C.S. abracem todos os dias, abracem sempre que possam quem vos faz feliz. E quanto mais apertado melhor! :)

(Imagem aqui)

 

Agora, caríssimos, os Globos Tugas...

Vou começar por dizer que há uma pessoa neste país que eu nunca vi mal vestida, apesar de não ser uma pessoa dona de uma beleza completamente invejável sabe tirar o melhor partido do seu corpo e do seu bom gosto. Adivinham quem é?

A Luciana Abreu, claro!

Claro que não, trata-se de Raquel Strada. Está sempre linda e maravilhosa e assim que a vi nos Globos pensei: "se há mulher que pode usar aqueles folhos na anca e ficar bem é a Raquel!". Concordam?

(Imagem aqui)

 Outras que também gostei de ver: Clara de Sousa e Diana Chaves.

2017-05-22-6-Clara-de-Sousa.jpg

 

2017-05-22-19-Diana-Chaves.jpg

 (Imagens aqui)

 

E depois houve tanta coisinha horrível... Deixo-vos as imagens para verem (ou reverem) com os vossos próprios olhos.

  (Imagens aqui)

 

Se calhar já chegam, não? Já compreenderam a ideia? Mas eu garanto que havia mais uns quantos que entrariam aqui.

Só um último reparo, eu pensava que a Joana Solnado jamais ficaria mal com alguma coisa que vestisse, porque ela é linda e tem aqueles olhos maravilhosos. Mas nos Globos Tugas ela deitou esta minha teoria por água a baixo...

Enfim... Não se pode ter tudo.

 

Beijocas

Vale a pena ver (ou rever)

22.05.17 | C.S.

Salvador Sobral em Alta Definição. Só ontem é que tive oportunidade de ver esta entrevista, (sim eu às vezes chego um pouco mais tarde, mas chego.ahahah), e foi uma meia hora muito bem gasta. Podem dizer que já estão fartos de Salvador Sobral, como uma colega minha de trabalho, que na segunda feira após a vitória no festival, quando eu puxei o assunto, quase me ia batendo, levantou-se e saiu a reclamar, contudo, eu não estou.

Posso dizer-vos que tenho muita pena que o cd dele não tenha sido divulgado antes, (ou então foi e eu andei a dormir...), porque é fantástico. A música Nem eu é viciante, ternurenta e apaixonante.

 

(Imagem aqui)

Nesta entrevista vemos um rapaz simples, sincero e fiel a si próprio. Com muita experiência empírica e ainda tanto para aprender sobre a vida, tal como todos nós.

Antes de ganhar a Eurovisão Salvador respondeu às perguntas de Daniel Oliveira e foi uma das entrevistas que mais gostei de ver até hoje. Consciente de si e daquilo que o rodeia, respondeu a tudo e sempre com um sorriso na cara.

 

Gostei muito. Vejam aqui.