Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

há mar em mim

Desafio - Só mais 1 (Vamos lá ajudar a Mimi)

20.10.17 | C.S.

Bom dia! Bom dia!

 

Hoje trago-vos um desafio no qual me voluntariei para participar, isto depois da Mimi ter desabafado que há uns tempos havia criado um desafio, numa outra plataforma de blogs, e o mesmo tinha tido uma morte muito repentina, pois a adesão havia sido fraca.

 

Vamos lá fazer isto acontecer? Ainda por cima a imagem do desafio foi criada por uma das filhas da Mimi.

 

20671435_FdHRU.jpg

 

As regras que a Mimi estabeleceu são:

A. Responder às perguntas da lista, mantendo o nome do(a) autor(a) da pergunta.

B. Acrescentar uma pergunta à lista de perguntas.

C. Nomear um blogue para responder ao desafio.

D. Colocar a imagem oficial do desafio.

E. Identificar (com link) quem vos desafiou.

F. Colocar o link do vosso post num comentário ao post onde se foi desafiado(a).

G. Importante!  Se o blogue nomeado no ponto C não responder ao desafio no prazo de uma semana, nomeia-se outro blog.

 

Em 3, 2, 1...

A. Responder às perguntas da lista, mantendo o nome do(a) autor(a) da pergunta.

1 - Se tivesses que te transformar num objeto útil do dia-a-dia, durante 24 horas, em que objeto te transformarias e porquê? (Mimi)

Esta é fácil responder, pois um dos sítios que mais adoro é a minha caminha.  Assim, escolhia ser a minha almofada e passava 24h num belíssimo e contínuo soninho de beleza.

 

 

B. Acrescentar uma pergunta à lista de perguntas.

2 - Neste preciso momento ofereciam-te 2000€, qual era o teu próximo passo? (C.S)

 

 

C. Nomear um blogue para responder ao desafio.

Vou nomear mais que uma pessoa, porque a Mimi quer ver o seu desafio a circular... A Desconhecida , Happy, Marta e o Trip.

Quanto às outras regras, creio que já as cumpri todas...

Beijinhos e tenham uma ótima sexta-feira!

 

Regresso ao ano de 2000

18.10.17 | C.S.

Ontem tive a oportunidade de assistir a uma sessão de encaminhamento vocacional dirigida a alunos de 9.º ano. Aos meus alunos de 9.º ano. E houve um pouco de tudo. Os decididos, os indecisos e os completamente despreocupados.

 

Adorei vê-los a refletir sobre o seu futuro. Num dia como o de ontem, marcado pelo terror que o país tem vivido, foi bom poder ver os miúdos a falar do futuro. Do deles e do futuro dos colegas. Das suas dúvidas, certezas, receios... Jovens conscientes, que aos poucos vão traçando o seu plano. Nem todos com a mesma maturidade, é certo, mas todos com o mesmo brilho no olhar.

 

Inevitavelmente visitei a pequena C.S., aluna de 9.º ano, que se inseria no grupo dos indecisos. Que tinha esperança no futuro, mas também medo. Muito medo. E pensei que se pudesse ir até ao ano de 2000 dir-lhe-ia para ter mais calma, respirar fundo e acreditar nas suas capacidades.

 

Dir-lhe-ia para confiar mais, sobretudo em si. E para nunca duvidar que os sonhos se tornam reais, ainda que nem sempre sigam pelas linhas que inicialmente traçamos. Teria de dizer-lhe para não ter vergonha dos caracóis, para assumi-los inteiramente, naturais e com volume, pois eram a sua identidade, para não ligar aos comentários maus e para se preocupar ainda menos, (do que já se preocupava), com as opiniões alheias, para não ter vergonha do seu peso e das suas formas, porque afinal ninguém é perfeito ou totalmente satisfeito. Ter-lhe-ia dado um abraço apertado enquanto lhe segredava ao ouvido que se estava a sair bem, mas para se preparar, pois o caminho teria algumas pedras.

Para terminar dir-lhe-ia apenas: "Ao contrário daquilo que tu julgas, tu consegues!".

(imagem aqui)

É oficial...

17.10.17 | C.S.

...hoje senti frio.

Quando cheguei a casa fui buscar um pijama de manga comprida. E como eu gosto disto!

Mas falta a chuva.

Ontem esperava que chovesse. Fui várias vezes à janela espreitar e nada. Há que tempos que não desejava genuinamente que chovesse.

Correndo o risco de parecer uma avozinha digo-vos que esta seca que assola o país é muito preocupante. Preocupa-me. Juntado aos trágicos incêndios e à quantidade de água que se tem gastado para tentar dominá-los, creio que vivemos uma verdadeira crise e que não estamos preparados para enfrentá-la.

O governo já deu mostras de incapacidade para resolver estas problemáticas. Também já demonstrou total insensibilidade para com estas questões, porque não basta dizer que se lamenta. Não basta decretar dias de luto.

Não se pode vir a público, num momento em que o país atravessa tamanho pesadelo e precisa de verdadeiros líderes, dizer algo assim: "habituem-se e não se queixem muito, porque isto não ficará por aqui.". E não me acusem de ser hiperbólica, porque espremidas e simplificadas as declarações dos elementos do governo transmitem-nos mais ou menos isto.

 

Ah!...é verdade...já me esquecia... Viram as imagens da Galiza? Viram a quantidade de gente que saiu à rua para manifestar o seu desagrado para com os governantes e pressionar para que sejam tomadas medidas e garantias de que os fogos não se repetirão? Viram? Sabem quantas vidas se perderam na Galiza? 2.

Demasiadas para eles. E nós? Nós engolimos as declarações secas destes governantes ávidos de poleiro, mas que de líderes têm muito pouco.

Era isto...

 

Coisas que não (me) fazem sentido

16.10.17 | C.S.

Num ano em que o país está a ser completamente devastado por incêndios, em que se perderam vidas, em que o outono não representou o fim do pesadelo, mas veio confirmá-lo ainda mais, parece-me algo estranho que a SIC decida incorporar esta temática numa das suas novelas.

Não vejo este tipo de programa há anos, mas o dito canal de tv tem insistido em passar, nos últimos dias, um anúncio à sua novela, Espelho de qualquer coisa, em que as imagens mostradas são: chamas, bombeiros e uma estrada cercada pelo fogo. Faz-vos lembrar alguma coisa?

Posso estar errada, mas parece-me desadequado abordar esta temática, quando ela ainda está tão presente, num programa de entretenimento e quando é do conhecimento geral que há pessoas que ateiam fogos pelo simples espetáculo de o ver a consumir tudo à sua volta.

Acho estranho e parece-me uma exploração da tragédia. Mas isto sou eu...

----------------------------------------------------------------------

Tinha este texto agendado para o final do dia de hoje. Estou incrédula com o que se passou ontem. Vi algumas imagens. Um horror... Perderam-se mais de 30 vidas. Tanta dor, tanto sofrimento, tanto desespero. E o governo que não sabe lidar com nada disto. E o país não está preparado para nada disto. Mas quem estaria?

 

 

 

O Dr. Guilherme

16.10.17 | C.S.

Naquele início tarde, de um outono demasiado quente, Guilherme não imaginava o que lhe iria acontecer. Vinha de um agradável almoço com a sua filha mais velha, que iria casar-se no final do ano. Estava entusiasmado pela sua menina, que na verdade já era uma mulher deslumbrante e bem sucedida. Iria casar-se um ano depois de ter terminado o seu internato em pediatria. Um sonho tornado realidade. Desde muito cedo que a sua Lara quis seguir-lhe as pisadas no mundo da medicina, facto que sempre o encheu de orgulho.

 

Guilherme entrou no metro em passo apressado, verificando a sua agenda no smartphone, pois ainda o esperavam no consultório para cinco consultas e uma delas era com a sua paciente, grávida de gémeos, cuja tensão arterial o preocupavam.

 

Subitamente uma dor no peito. Lancinante. Soube de imediato do que se tratava e enquanto tentava racionalizar o que lhe estava a acontecer, o seu corpo começou a ceder, não conseguiu avançar muito mais, a dor cada vez maior e mais real. O seu corpo de 1,86m caiu ao chão. Os olhos fixos no teto daquela paragem de metro que fazia parte do seu dia-a-dia.

 

Pensou no casamento da filha e na dor que lhe causaria se não a pudesse acompanhar ao altar. Pensou no amor da sua vida, a mulher com quem partilhava a sua vida há quase quarenta anos. Queria tanto puder vê-la uma última vez, sentir o seu cheiro e acariciar os seus cabelos. Pensou no seu Tiago a viver sozinho pela primeira vez e logo num país estrangeiro. Queria visitá-lo de surpresa no início de dezembro, mas talvez não o voltasse a ver.

 

De repente sente umas mãos a comprimir-lhe o peito, uma e outra vez, uma e outra vez, ritmadas, enquanto ouve uma voz desesperada que lhe pede para se aguentar. Guilherme gostava de poder acalmar aqueles olhos verdes que se debruçam sobre ele e que lhe parecem estranhamente familiares. Tão bonitos. Tão puros. Tão tristes.

 

Antes de desmaiar compreende... Lamentavelmente, compreende que é a sua filha, a sua pequena Lara que no chão do metro, lavada lágrimas, faz os impossíveis para o agarrar à vida. Desculpa, Lara.

IMG_2874.jpg

(A magnífica foto que inspirou este conto é da autoria do João Freitas Farinha. É uma obra de arte, não é? Estes tons de preto e branco fascinam-me. Obrigada, João.)

 

À procura de energia...

15.10.17 | C.S.

Depois de uma semana cansativa e de um fim-de-semana onde as energias andaram por baixo, espero que, na semana que amanhã se inicia, o equilíbrio seja estabelecido. Para tal vou:

- alimentar-me bem;

- voltar a correr (há algum tempo que não o faço - 1,5 semana - e aborrece-me que tenha voltado à estaca zero, mas é mesmo assim);

- ser produtiva, ou seja, aproveitar bem o tempo;

- descontrair;

- visitar-vos mais.

 

(Imagem aqui)

 

 

Uma semana de loucos...

14.10.17 | C.S.

Bom dia!

Uau...finalmente é sábado.

Esta semana que agora termina passou a um ritmo alucinante.

O trabalho consumiu-me o tempo e não restou praticamente nada para vir até cá.

Aulas, reuniões, relatórios, atas, processos, mais reuniões, chamadas, atividades comemorativas, preparações de aulas...o e fim-de-semana que nunca mais chegava.

Mas chegou...

 (imagem aqui)

 

E agora?

Como se consegue aproveitar o fim-de-semana quando a roupa suja e a que está por passar a ferro chama por nós?!

Sobre a notícia da comida de má qualidade em algumas escolas...

10.10.17 | C.S.

...não me espanta.

Já estive em escolas que serviam má comida, felizmente não são a maioria, pelo menos da realidade que conheço. E sempre que aconteceu, (uma ou duas vezes), foi em escolas que não confecionavam a sua própria comida, esta era feita por uma empresa que depois ia fazer a entrega à escola antes da hora de almoço.

Também já estive numa escola onde as senhoras do refeitório serviam sempre uma maior porção de comida aos rapazes. Um dia umas alunas fizeram queixa desta situação. Meninas com juízo e poder de argumentação que foram incentivadas por uma professora que não achou graça a tamanha descriminação quando tomou conhecimento desta prática.

Julgo que a alimentação é um assunto sério. A escola serve para ensinar, mas também para educar,  por esta razão creio que está na hora de alguém pensar seriamente sobre esta temática.

Os alunos precisam de comer bem para que possam ter um bom rendimento, as necessidades básicas devem estar satisfeitas para que se possam concentrar no que lhes é pedido.

 

(Imagem aqui)

Mas o que vem a ser isto?!

09.10.17 | C.S.

Andava eu a passear pelo youtube, como quem passeia pelo jardim da cidade, quando decido clicar na opção "Tendências", (sim, às vezes dá-me para isto, apesar de já saber de antemão da quantidade de lixo que se pode encontrar nestas "tendências"),  e deparo-me com um vídeo que jamais deveria ter sido aberto. (Mas eu estava entediada, tentem compreender.)

 

Abro o dito cujo e era, nada mais, nada menos, que um excerto de um dos programas da tarde, que como todos sabemos, são dotados de conteúdos magnífico...

 

E o que é que temos? Temos um senhor a tentar provar que andou a comer a irmã da mulher. APLAUSOS!!! 

 

Vocês têm de assistir a isto se querem começar a vossa semana a exercitar a zona abdominal, vão por mim, que eu não vos minto.

 

Posto isto, vamos a alguns factos:

- a Fatinha está a fazer um trabalho notável ao manter-se séria;

- a TVI agora passa reality shows a qualquer hora do dia;

- o machão parece o Sherek;

- a senhora traída sorri, portanto, parece estar bem com a situação;

- esta máquina é tão boa que deveria ser usada em todos os tribunais;

- o senhor espanhol tem mais ar de serial killer que de professor;

- podemos respirar de alívio, porque a televisão portuguesa está bem de saúde e recomenda-se, não é fácil fazer tal número de comédia e, ainda por cima, a esta hora do dia. Ufa...

 

(É por estas e por outras que eu só vejo séries e pouco mais...)

 

Tenham uma ótima semana.