Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

há mar em mim

4 and counting

20.06.19 | C.S.

Há 4 anos, por esta hora, deveria estar a colocar os brincos ou o véu. 

Creio que não estava nervosa, mas sim ansiosa. Tínhamos tudo planeado. Tudo pensado ao pormenor. 

Diríamos o sim na presença das pessoas que mais gostamos. 

Foi um dia quente. Cheio de sorrisos, abraços e lágrimas de felicidade. Foi um dia feliz. Imensamente feliz.

20 de junho. Um dia para celebrar sempre. Um dia para comemorar o amor.

 

4  anos - Bodas de flores

IMG_20190619_232947.jpg

 

As duas séries que me prenderam após o final de Game of Thrones

18.06.19 | C.S.

Não é novidade que eu me tornei numa super fã de Game of Thrones. Esperei muito pela oitava temporada, fiz o que pude para evitar spoilers  (tarefa nem sempre bem conseguida), vi todos os 6 episódios à hora em que estreavam mundialmente e fiquei desiludida com o final. É assim. Nas séries, como na vida, as coisas não são sempre justas e dificilmente seguem o caminho que nós queremos. 

 

Contudo, GOT continua a ser a minha série preferida e é difícil superar o fim de uma série que nos deu tanto. Verdade? 

 

Após o fim andei um pouco à deriva no que toca a séries. Via um episódio de uma, mais 10 minutos de outra... Ia saltitando, sem que nada me prendesse verdadeiramente. Até que descobri Big Little Lies. Uma série que tem uma primeira temporada totalmente certinha... Da representação à banda sonora, esta série é boa em tudo. Com um argumento que nos prende e intriga e uma season finale tão perfeita que nem precisava de uma segunda temporada, esta série tem tudo para merecer a vossa atenção. É da HBO

(Imagem aqui)

 

Finalizada a 1.ª temporada de BLL, eis que descubro, também na HBO, Killing Eve, uma série da BBC. E... UAU! Este thriller prende-nos de tal forma, que chega a ser viciante. É como os bons livros do género, queremos ler sempre mais para saber o que é que vai acontecer. Com esta série o sentimento é o mesmo. 

Killing Eve tem como figuras centrais Eve Polastri, uma agente do M16, e Villanelle, uma psicopata russa. A ação vai-se desenvolvendo por várias cidades europeias e as mulheres vão ficando cada vez mais obcecadas uma com a outras. Se Eve é uma espécie de heroína completamente inesperada, pois na primeira vez que a vemos pegar numa arma salta-nos à vista a sua falta de jeito, Villanelle é uma assassina implacável (não se deixem enganar), mas que volta e meia parece agir como uma criança (caprichosa!) e denotar uma enorme falta de atenção/amor. 

Iniciei ontem a segunda temporada e estou desejosa de ver que rumo irá tomar...

(Imagem aqui)

 

E vocês?

Como superaram os finais das vossas séries preferidas?

Contem-me tudo!

 

Desabafos de Segunda

17.06.19 | C.S.

Como é possível que vivamos a vida de um modo tão frenético, tão stressante, que às vezes damos por nós a pensar: "já estamos em junho? Como é que vim cá parar? Para onde foi o tempo entre o Natal e o presente?". 

Será isto viver no limbo?

Será isto o aproximar do estado de burnout?

Tenho memória de momentos fugazes de felicidade nos últimos meses, mas a maioria é um emaranhado de trabalho, confusão, stress, prazos, testes, reuniões, barulho ensurdecedor, gritos que não se materializam, frustrações, desilusões... 

E o tempo, traiçoeiro, vai escorrendo, fazendo troça de mim e do meu estado de semiconsciência. 

Estamos em junho. O sol já aquece. 

E eu sinto-me, ainda, perdida num labirinto coberto de nevoeiro frio e denso. 

Um frio que chega aos ossos. Em junho. 

Mas eu não baixo os braços. 

Eu não hei de desistir. 

Quero sair.

Quero muito sair!

E sei que já faltou mais. 

(Imagem aqui)

 

Tenham uma ótima semana e enviem-me muita energia positiva. Ou isso ou um bilhete de avião para um destino turístico qualquer... Tenho a certeza que será mais eficaz. 

😆😇

🙏

#9 Traçados dos dias (com o balanço da dieta)

15.06.19 | C.S.

(Imagem aqui)

 

Não consigo deixar de sentir pena pela falta de tempo que tenho tido para vir cá. 

Este ano letivo tem consumido a maioria das minhas energias. As que vão restando tenho-as usado em coisas básicas, que me permitem manter a sanidade mental e o casamento ileso.

O blog tem sobrado sempre. Infelizmente. 

Vítima do meu sistema de prioridades, um modo de pausa, demasiado contínuo e que não merece. 

E é pena...

Há tanta coisa da qual vos queria falar...

Da viagem a Marraquexe, em abril. 

Do final de Game of Thrones.

Da aparição brilhante que a minha B. fez Rtp1.

Do concerto do Ed Sheeran na Luz.

Da minha dieta. 

Lembram-se? Disse-vos aqui.

Iniciei a dieta a 30 de abril e fiz um compromisso comigo mesma. É desta! Pensei eu.

Tenho-me mantido determinada. Focada no meu objetivo. Tenho dito que não a muita coisa. Tenho tido dias difíceis, mas felizmente são pontuais. 

Começo agora a colher os frutos de uma caminhada que ainda é longa. Mas posso-vos dizer que hoje, dia 15 de junho, tenho menos 10kg do que tinha no dia 30 de abril. 

Não há milagres no que toca a perda de peso. Há sacrifícios e bons profissionais que nos ajudam a seguir o caminho certo. 

 

 

 

Eu estou feliz por estar a percorrer o meu.