Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

11
Fev19

Quando os fins-de-semana passam a correr

C.S.

O fim-de-semana passou a correr. Mas correu no bom sentido. 

 

Depois de um mês intenso em trabalho este fim-de-semana foi a pausa na rotina que eu estava a precisar. Envolveu passeio, visitar amigos, jogos de tabuleiro e boa comida. Gargalhadas e afetos. E sempre amor. O meu. Sempre ao meu lado. Não há melhor, acreditem.

 

No que diz respeito à comida, tenho de vos falar do restaurante onde almocei ontem: Boa-Bao, em Lisboa. Um restaurante tailandês que é uma experiência maravilhosa para o nosso paladar. Comi lá os melhores noodles de arroz que já tive a oportunidade de saborear. Recomendo muitoooo! Tem um ambiente descontraído, cool, mas chique. O sítio ideal para ir se queremos boa comida e uma ótima conversa, pois a sala é intimista e propícia a meter a conversa em dia. É um sítio onde quero, sem dúvida, regressar. 

(Imagem aqui)

 

Boa semana para todos vocês. 

05
Fev19

Desde que o ano começou, o que é que eu já vi que valha a pena recomendar?

C.S.

Vocês bem sabem que eu não tenho tido muito tempo livre. É verdade, tenho-me queixado bastante e sinto alguma vergonha por isso, ainda que esteja mesmo a viver dias muito cinzentos no que toca a trabalho.

 

Contudo, aqui e ali ainda vou arranjando uns espacinhos para fazer alguma coisa que me dá prazer, como por exemplo ver filmes e séries. 

 

Já vos falei de Sex Education. A série que estreou na Netflix a 11/01 e que eu devorei em dois dias. Desde aí a coisa já viralizou e é a série in do momento. Se não viram, vejam. Vale mesmo a pena e a Netflix já nos garantiu uma 2ª temporada. 

 

Entretanto, vi A star is born. O filme que coloca Bradley Cooper e Lady Gaga nos papéis principais. Se gostei? Sim, gostei mesmo muito. Creio que o filme está feito para a Gaga brilhar, mas eu acho que o Bradleyzinho não lhe fica nada atrás. É uma história previsível? É. Mas também são 2h14 de bom cinema. E a banda sonora é completamente pegadiça. Eu gosto especialmente de Always Remember Us This Way.

 

Comecei a ver, há umas duas semanas, a série YOU, da Netflix. Diria que é uma série que nos prende ao mesmo tempo que nos causa algum mau estar, por isso creio que cumpre muito bem na categoria de série drama/suspense. 

Esta série conta-nos a história de Joe e da obsessão que ele desenvolve por Beck, uma rapariga por quem se apaixona. Mas à medida que vamos conhecendo Beck compreendemos que ela está longe de ser a rapariga angelical que no início somos levados a crer que é.

Até onde estará disposto Joe a ir para "salvar" Beck e alimentar este seu amor pouco saudável? 

(Imagem aqui)

 

Por último quero falar-vos de uma comédia dramática, também da Netflix, da qual estou a gostar bastante, trata-se de Grace & Frankie, a série que trouxe novamente para o ecrã Jane Fonda e Lily Tomlin. 

Esta série aborda, essencialmente, questões relacionadas com (a designada) 3ª idade, mas sobretudo quebra uma série de tabus, nomeadamente quanto a questões de sexualidade. 

Grace e Frankie são deixadas pelos respetivos maridos, que se apaixonam um pelo outro. Com esta nova realidade as duas mulheres ficam completamente vulneráveis e terão de se adaptar às suas novas condições. E como decidem fazê-lo? Começando uma nova amizade e indo viver juntas, pois só elas sabem as dores pelas quais estão passando. 

(Imagem aqui)

24
Jan19

Ricardo Araújo Pereira em dose dupla | Obrigada!

C.S.

Há anos que acompanho o percurso de Ricardo Araújo Pereira e sou verdadeiramente fã do seu trabalho. Acho que não há como não sê-lo. 

 

É o melhor humorista português e uma das pessoas mais inteligentes da nossa praça pública. Admiro a forma como fala de literatura e o conhecimento que demonstra ter da língua portuguesa. "Ai quem me dera..." Canta a Mariza e penso eu.

 

Ricardo A. Pereira brinca com a política, revela consciência social e escreve bem. Agora temos a sorte de tê-lo em dose dupla, na Rádio Comercial, de segunda a sexta, e na TVI, ao domingo. E ainda bem, digo eu, julgando que este é um sentimento partilhado pela maioria dos portugueses. 

 

No meio de tanto lixo que nos chega a casa pela televisão, (abençoada Netflix que me trouxe tanta liberdade de escolha!), o Gente que não sabe estar é uma lufada de ar fresco. Humor inteligente do princípio ao fim. Mas dali já não se espera outra coisa, verdade? 

 

Vejam isto:

 

 

E mais isto:

 

 

Ia fazer um post sobre o tão falado programa de Marie Kondo e como este foi uma desilusão, (só vi o primeiro episódio), uma vez que a senhora não arruma nada, apenas manda fazer. Para além disso, a Marie aconselha a que se dobre a roupa de forma a que esta, antes de ser usada, tenha de ser outra vez passada a ferro. Uma verdadeira loucura! Mas agora o post já não faz sentido, uma vez que esta Mixórdia supera qualquer palavra que eu pudesse escrever. 

 

Resta-me dizer, em nome dos portugueses, obrigada, Ricardo!

22
Jan19

Na sexta-feira passada...

C.S.

A sexta-feira que passou foi um dia difícil para mim, pois tive uma situação muito tensa no trabalho. Mas como os nossos dias têm sempre algo de positivo, ao chegar a casa tinha uma surpresa. Na verdade era uma prenda que a jb - Comércio Global decidiu oferecer-me. Nem sei porquê... Ao que parece andaram pelo há mar em mim, gostaram do que viram e quiseram presentear-me. Que máximo, não é? Ficaram surpreendidos? Pois, é normal, eu também fiquei. 

 

A prendinha foi o livro de viagens, de Gonçalo Cadilhe, Passagem para o Horizonte. Tenho outros dois livros deste autor português e quero muito ler este. Talvez o leve para as minhas próximas férias... É um livro sobre uma volta ao mundo de mochila às costas. Como não ficar entusiasmada com este tema? 

(Imagem aqui)

 

Não conhecia a jb - Comércio Global mas entretanto fui pesquisar, como devem calcular. Trata-se de uma empresa 100% nacional, de Vila do Conde, que já conta com 20 anos de história e na sua página apresenta-nos variadíssimos produtos, desde brinquedos, passando por artigos de papelaria e terminando nos livros, há muito por onde escolher. Se puderem espreitem a página deles e as coisas giras que há por lá. 

 

Beijinhos e boa terça-feira, gente gira! 

17
Jan19

Ajudem-me, estou viciada nesta!

C.S.

Já ouviram esta nova música do António Zambujo? É linda.

Atentai, minha gente!

O curioso é que, quando a ouvi com ouvidos de ouvir, disse para o A.: "Esta letra... Esta letra foi escrita pelo Miguel Araújo!" e com uma rápida pesquisa no Google o meu palpite tornou-se certeza. Que grande dupla que eles são! Adoro!

 

E adoro especialmente estes versos:

Amadeu desanimou

Um dia quis ver o céu

Benzeu-se com o chapéu 

E voou.

 

Isto é poesia. Quem me dera escrever assim, é o que vos digo, meus amigos...

 

23
Out18

O Primeiro Homem na Lua

C.S.

Ontem fui ver O Primeiro Homem na Lua, com Ryan Gosling, no papel principal, a dar vida a Neil Armstrong. 

Tinha muita curiosidade acerca deste filme, queria vê-lo no cinema e, por isso, aproveitámos o facto dos bilhetes estarem a 2,5€, (incluindo hoje e amanhã, aproveitem!). 

(Imagem aqui)

 

Neil Armstrong é uma figura incontornável do séc. XX e um nome que ficará para sempre na História da Humanidade como tendo sido o primeiro Homem a dar o primeiro passo para solo lunar. 

O Primeiro Homem na Lua retrata, não só a chegada à Lua, mas o percurso que Neil fez para lá chegar, incluindo o lado mais privado da sua vida, no seu seio familiar. 

A longa-metragem apresenta-nos Neil como um homem algo introspetivo e a lidar com o luto pela sua filha de dois anos. Daquilo que li, parece-me que o filme é um bom retrato da realidade. Mesmo a cena em que o astronauta fala com os filhos, antes de embarcar no Apollo 13, foi contada ao realizador, Damien Chazelle, pelos próprios filhos de Armstrrong. 

O filme está concebido de forma a fazer-nos experienciar, de alguma forma, o que Neil poderá ter sentido, seja ao lidar com a morte da filha e dos amigos, seja ao conquistar um feito único, existem momentos que nos fazem mesmo suster a respiração. Damien Chezelle acertou em cheio!

Eu gostei bastante do filme, ainda que a linguagem seja muito técnica e que Gosling não tenha diálogos muito longos, creio que se arrisca a receber um Óscar. Veremos... 

Aliás, arrisco a dizer que este filme competirá em praticamente todas as categorias e que é capaz de arrecadar alguns (vários?) prémios. Da banda sonora à fotografia, este filme garante-nos 138 minutos de bom cinema. 

 

 

Se não têm planos para esta noite, aproveitem o facto dos bilhetes estarem a 2,5€ e vão ao cinema. Divirtam-se e emocionem-se. 

18
Out18

10 casacos que eu comprava JÁ!

C.S.

Bom dia, gente gira! 

 

Como estão? O Algarve hoje está pintado de cinzento e as temperaturas baixaram bem. O que é que isto nos traz? 

Nostalgia?

Vontade de ficar em casa?

Uma grande neura?

 

Nada disso! 

 

Uma vontade enorme que ir comprar um casaco! Lindo e quentinho... 

Quem alinha?

 

Deixo-vos aqui algumas sugestões:

 

Da Salsa duas opções que são garantia de sucesso (129€ e 149€):

xbig01.jpg

 

xbig16.jpg

 (Imagens aqui)

 

xbig01 (1).jpg

 (Imagem aqui)

 

Da Mango duas opões cheias de estilo para um look casual (99,99€ e 59,99€):

 

(Imagens aqui)

 

Da Massimo Dutti duas opções com preços bem diferentes (99,95€ e 249€):

6708612505_1_1_16.jpg

4727829800_2_2_16.jpg

(Imagens aqui)

 

Da Desigual duas opções para quem gosta mais de arriscar (129,95€ e 149,95€): 

18WWEW87_3007.jpg

 

18WWEWBL_2000.jpg

 

18WWEWBL_2000_B.jpg

 (Imagens aqui)

 

Da Promod duas opções mais em conta (79,95€ e 69,95€):

tooltip-zm108883-s1-matiere-220x220.jpg

tooltip-zm105522-s1-matiere-220x220.jpg

casaco-mesclado--pp105522-s1-produit-71x76.jpg

(Imagens aqui)

 

Gostam da seleção que fiz para vocês? Sentem-se inspirados? 

 

 

Boa quinta-feira! 

 

 

(Se quiserem encontrar os casacos on-line basta carregar no link das imagens.)

14
Out18

Faringite e séries

C.S.

Como está a ser o vosso fim de semana? 

Espero que o Leslei não tenha feito estragos para os vossos lados. No Algarve tivemos uns minutos de chuva forte, mas não passou disso. Ainda bem. Mas por aqui não havia qualquer aviso. 

Eu estou praticamente de quarentena. Tenho estado a recuperar de uma faringite, à qual se junta a minha arqui-inimiga sinusite e têm sido uns dias de dor de garganta, dor de cabeça, fungadelas, nariz entupido, espirros, lenços, medicamentos, chá quente... Enfim, todas essas maravilhas que eu tão bem conheço. 

Mas, como em tudo na vida, há um lado positivo em estar neste estado. Sabem qual é? Adivinham? 

(Imagem aqui)

 

Esse mesmo! Ver tv. Vegetar em frente a um ecrã. Assim! Mesmo como na imagem... De boca aberta para que se possa respirar, já que o nariz tornou-se inútil. 

E graças a este fim-de-semana com sabor agridoce, (já que podia vegetar sem a dor de cabeça e o nariz a cumprir a sua função), lembrei-me de vir aqui dizer-vos quais as séries que ando a acompanhar. Quem sabe se não vos inspiro a ver alguma... 

Vou falar-vos de séries que ainda estão a decorrer ou que já terminaram, mas que eu só agora estou a ver. 

 

1. Game of Thrones

Já falei desta série. Já todo o mundo falou dela. É a melhor. Winter is coming e que venha 2019. Que venha a última temporada, porque será, seguramente, arrebatadora. 

 

2. This is us

Vai na sua terceira temporada e creio que já todos nos apaixonamos por esta família. Quem é que não deitou uma lagriminha com a morte de Jack? Falei-vos desta série aqui e aqui

 

3. Downton Abbey

Só agora ando a acampanhar, na Netflix,os enredos da vida dos Crawley. Já vou na 5ª temporada e estou a gostar muito de ver este retrato da aristocracia inglesa e dos seus empregados. 

 

4. The Big Bang Theory

Está a decorrer a sua 12ª e última temporada. Creio que é a série de comédia que mais sucesso alcançou. Sheldon e os seus amigos conseguiram manter-nos sempre presos ao ecrã, mas sem nunca perder a qualidade. Vão deixar saudades. 

 

5. Black Mirror

Esta série, que agora pertence à Netflix, é de ficção científica e, apesar de ter visto poucos episódios até ao momento, tem-se revelado extremamente interessante. Faz-nos pensar sobre a nossa sociedade, sobre a tecnologia, as redes sociais e o futuro. Para onde caminhamos? 

Esta série tem a particularidade de não ser sequencial, cada episódio conta-nos uma história isolada e cujo desfecho é conhecido. 

 

6. The Resident 

Eu gosto de séries de hospitais e médicos. Gostei de E. R. (Serviço de Urgência) e Grey´s Anatomy foi durante muito tempo uma das minhas séries de eleição, (mas hoje em dia já me cansei do Seattle Grace), por isso tinha de ver The Resident. Por isso e porque um dos protagonistas é Matt Czuchry, por quem eu confesso ter uma crush desde os tempos em que ele era Logan Huntzberger em Gilmore Girls

O que mais me agrada em The Resident é o facto da série abordar a questão económica na área da saúde. Cada vez mais os hospitais são geridos como empresas, para gerar lucro e esta série coloca a nu esse tema. 

 

Estas são as 6 séries que vejo de momento, não estão numeradas por ordem de preferência e recomendo-as a todas. 

Já ando a de olho na nova série espanhola da Netflix, Elite. Será a próxima e acho que promete...

 

E vocês? Recomendam-me alguma? 

 

Bom domingo. 

 

(Atualização)

Apercebo-me agora que deixei uma ótima série de fora da lista e tive de vir aqui corrigir o meu erro. Trata-se de:

 

7. Modern Family

Uma série de comédia que se tem mostrado inovadora, (não me esqueço do episódio que foi passado, todo ele, em frente ao monitor do computador de Claire), e que ainda não deixou de ter piada. Há anos que acompanho as aventuras dos Pritchett e dos Dunphy. Apercebo-me agora que a 10ª temporada já deve ter começado... Iupi!

02
Out18

Uma MUD pelos anos

C.S.

Quem visita o há mar em mim saberá que no mês de setembro passou-se mais um dia do meu aniversário.

Foi um dia feliz. Almocei com vista para o mar. Passeie de mão dada por uma das cidades que mais gosto, mergulhei no mar onde recarrego sempre energias, depois, lanchei o meu bolo preferido e vi o pôr-do-sol. Segui para casa, onde jantei comidinha caseira na melhor companhia. Não se pode pedir muito mais, pois não? 

Acontece que também recebi algumas prendinhas, incluindo uma mala MUD. Adivinhem quem me presenteou com esta maravilha? O A., claro!

 

Conhecem? Já ouviram falar desta marca? 

A MUD é uma marca 100% portuguesa e que existe desde 2011. Os seus produtos são feitos à mão e as malas são em pele, madeira e cortiça. Eu diria que são delicadamente trabalhadas para serem usadas com conforto, mas também com muito estilo, uma vez que é uma mala em que se repara pela sua singularidade. A sério, tenho recebido alguns elogios por ela. 

 

A que eu recebi foi a Fat Pear Bag e foi amor à primeira vista. O A. escolheu esta cor (que eu adoro), mas há mais disponíveis. O difícil é mesmo escolher, por isso ainda bem que foi ele a tratar do assunto. 

fat-pear-bag-acqua.jpg

(Imagem aqui)

 

Decidi dar-vos a conhecer esta marca porque gosto de elogiar produtos de qualidade, coisas que uso e que me fazem feliz, e quando são nacionais creio que se torna quase um dever divulgar. Para irem à loja da MUD vão aqui, se quiserem conhecer o instagram, é aqui

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D