Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

há mar em mim

30
Mar17

O meu cabelo e as aventuras que ele já me proporcionou

C.S.

Esta semana a Chic'Ana escreveu um post sobre uma aventura que teve no cabeleireiro. E eu, que gosto sempre de ler as suas histórias, adorei e lembrei-me imediatamente de uma história bem, bem antiga que me aconteceu e que hoje me dá vontade de rir, mas na altura foi uma verdadeira descida aos infernos.

Fiquei com vontade de partilhá-la convosco. Mas primeiro precisam de uma ligeira contextualização para entenderam bem o drama do qual vos vou falar.

Vamos fazer um exercício, olhem bem para estas duas fotos abaixo.

712x479xcortes-para-cacheados-cacheados-ondulados-

(Imagem aqui)

 

img_806x579$2016_05_03_13_32_23_231557.jpg

 (Imagem aqui)

 

Já o fizeram? Ok. Digamos que o meu cabelo será algo parecido a estes que aqui vos apresento, um intermédio dos dois.

O meu cabelo sempre foi a minha imagem de marca, digamos assim. Não o digo com vaidade, digo-vos porque graças a ele é muito fácil ser reconhecida e qualquer pessoa que fale comigo tem mais facilidade em se lembrar de mim da próxima vez que nos cruzarmos.

Para que entendam, uma vez fui ver o Benfica ao estádio da Luz (ainda era o antigo) e, ao que parece, durante o intervalo apareci por breves segundos na bancada, pois no outro dia toda a gente me dizia que me tinha visto, que o meu cabelo era inconfundível.

Avancemos. Ou melhor, recuemos, que nesta história aqui a C.S. deveria ter uns 7 aninhos.

 

7 anos. A C.S. vai ao cabeleireiro com a mãe, num género de tarde só de raparigas, onde só a minha mãe teve direito a lavar, cortar e pentear os seus cabelos e a C.S., como menina bem comportada que era, observava aquilo tudo e ia folheando revistas de penteados e cortes, tão habituais nestes estabelecimentos. Não havia uma única pessoa naquelas revistas que tivesse cabelo encaracolado. Mas eu comentei nada.

Despachada a mãe e vendo que ela já se encaminhava para o pagamento pedi-lhe, (pois também eu queria aquele tratamento a que nunca tinha tido direito, já que quem me cortava os meus caracolitos era a mãe em casa), pedi-lhe, baixinho, que me deixasse fazer, nada mais nada menos, que uma franja. Sim, leram bem, franja. Parece que se usava, toda a gente ostentava uma e as revistas que tinha passado a tarde a ver também estavam recheadas delas. Portanto, era mesmo, mesmo, mesmo isso que eu queria. A minha mãe riu-se, ela que tinha o cabelo liso (os caracóis vêm da família paterna) lá me explicou que uma franja não era indicado para o meu cabelo, que ela nunca me iria cobrir a testa e ficar lisinha como aquelas que eu vira, etc., etc., etc.

Tudo desculpas, pensava eu. E aí, eu que não era muito de pedir coisas, parece que usei todo o meu poder de argumentação, que é como quem diz, chateei tanto a minha mãe que às tantas ela disse algo do género: "Seja feito à sua vontade". E eu feliz. E a cabeleireira a torcer o nariz. E eu radiante. E a cabeleireira a imaginar mais dinheiro a entrar na caixa. E pumba, pumba, pumba...caracolinhos no chão, a C.S. ganhou uma franja.

Ansiedade, chegara a hora de ver o meu maravilhoso novo penteado e...O QUE É ISTO? ISTO NÃO FOI O QUE EU PEDI! OH MÃEEEEEEEE...

Escusado será dizer que o meu cabelo, que seca muito rápido num instante, encolheu. Resultado: a C.S. queria uma franja e ganhou um tufo na testa. E chorou, chorou, chorou...que queria o cabelo de volta, que voltassem a colar, que não sabia que ia ficar assim...

E a mãe: "agora já sabes, para a próxima não me chateias e fazes o que eu digo...". E lá fui eu para casa, num desgosto profundo e morta de vergonha a perguntar quanto tempo o cabelo ia demorar a crescer.

Ficamos por aqui, sim? Penso que será humilhação suficiente. Outro dia conto-vos outras histórias (não tão terríveis) em torno do meu cabelo.  

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D