Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

15
Nov19

Reflexão outonal

C.S.

Troveja lá fora e faz frio. E eu apercebo-me que tinha saudades de um outono a sério. Só tenho pena do pouco tempo que tenho tido para o apreciar.

Sim, que o outono requer tempo e uma caneca de café quentinho. Requer mantas e livros, mas também passeios a pé, sem destino certo e o frio a colar-se-nos à cara. 

 

Quando vivia em Évora adorava passear pelas ruas nesta altura do ano, sozinha, percorria ruas e ruelas e visitava as lojas do comércio local a pensar já nas prendas de Natal. Gostava de ver a noite cair, sentir a temperatura a descer e o cheiro das castanhas assadas a invadir-me mesmo que eu não quisesse. Eram tranquilas estas tarde e onde eu passava mais tempo era na livraria Nazaré, perdida entre os livros e, antes de regressar a casa, ainda visitava o Templo Romano, só para passar por ele e certificar-me de que tudo estava certo. 

 

Tem graça como, por vezes e sem esperarmos, as coisas se tornam evidentes. Apercebo-me agora que não é só o tempo que me falta. Falta-me também uma cidade que tenha o encanto certo para um agradável passeio de outono. Portimão tem alguns atributos, mas não é uma cidade pitoresca. Longe disso. É incrível, na verdade. Vivo nesta cidade há cinco anos, já fiz alguns amigos aqui, tenho locais que visito com frequência e, ainda assim, apercebo-me que gosto pouco deste local. Faltam-lhe árvores e sobram-lhe prédios e mais prédios. Existe nesta urbe uma total desordenação e a beleza do mar não chega para esconder todos os seus defeitos. E no outono ainda menos...

(Imagem aqui)

11
Ago18

Para vocês...

C.S.

...uma foto do Algarve que mais gosto. 

IMG_20180811_112504_404.jpg

 Aquele que ainda não foi invadido por milhares de turistas, onde ainda existe autenticidade. O Algarve que anda a um ritmo próprio e que nos encanta com as suas cores. 

Adoro o Algarve. Aquele que sobrevive ao turismo massivo e onde ainda é possível falar com as suas gentes. 

Este é o Algarve das cores reais. Ardeu um pedaço esta semana, mas há de reerguer-se.

 

Tenham um ótimo sábado! 😘

07
Ago18

O inferno aqui ao lado...

C.S.

Monchique está a arder. Há dias que está a arder, mas cada dia parece uma semana. 

Todas as manhãs abro a janela e sinto que o inferno está aqui mesmo ao lado. Tenho a varanda cheia de cinza, o ar está pesado, o céu está cinzento. Quem me dera que fosse chuva, penso. Mas não é. É fumo que anda no ar e o cheiro não engana. 

O inferno anda aqui ao lado. Mas nós fazemos a nossa vida normal. Vou à praia com a família, mas a praia também é um cenário desolador. A água suja, toda ela coberta de cinza. 

Estamos de férias, mas não completamente felizes, porque ninguém é feliz quando se sinte ameaçado. E o inferno está aqui mesmo ao lado. Ao lado da minha casa, a consumir os locais que conheço.

"Tia vamos à água", pede a B. insistentemente, porque quando se tem sete anos não se vê a cinza, nem se sente o temor. E ainda bem. Não podia ser de outra forma. 

Vou com ela à água, mas a tristeza de um horizonte fumarento não me larga. 

O inferno anda aqui ao lado e eu só quero que ele vá embora. 

 

P_20180807_110451.jpg

 

05
Out17

Mais valia ter ficado em casa...

C.S.

Às vezes, vocês funcionam como terapia para mim. Não se sintam mal, é um elogio.

Portanto, cá vai...

(Imagem aqui)

Ontem foi um dia muito cansativo e, para juntar à festa, diga-se que há algumas noites que ando a dormir mal, por isso, quando saí do trabalho sentia-me cansada, de rastos, na verdade. Mas no dia anterior descobri que o António Zambujo iria cantar a 55km da minha casa. Era já ali. E era o Zambujo. E dizia o evento do facebook: entrada livre. E na noite véspera de feriado? Vamos.

Fomos. Tal como havíamos combinado na noite anterior. Apesar do cansaço fomos. Cheguei a casa, banho rápido, troca de vestimentas e lá fomos.

Havia muita gente e foi difícil encontrar lugar para deixar o carro. Ultrapassada esta dificuldade, dirigimo-nos ao local onde o Vasco Palmeirim, da Comercial, já apresentava o evento. Aceleramos o passo, íamos entrar quando nos perguntaram pelo convite. Olhamos um para o outro. Respondemos a uma voz "não temos". "Só podem aceder ao local a partir das 21:30h" disseram-nos com sorriso amarelo. Encolhemos os ombros e fomos procurar um sítio para jantar. 

Comemos, bebemos, demos mais voltas para deixar o carro e quando chegámos ao sítio onde nos fora barrada a entrada eram 21:45h. Naquele momento já entramos sem problemas, porque na verdade já não havia nada para ver, o local estava cheio e o palco estava tão mal posicionado que a única coisa que consegui ver foram os holofotes a mudar de cor e, eventualmente, a girar.

O Zambujo lá ia cantando e encantando, bem ao seu jeito, e o público comportava-se demasiado bem. Ele próprio o referiu.

Aí... Começo a olhar à minha volta e vejo que as pessoas não estão vestidas para um concerto, mas sim para uma festa... Muito vestido, muito blazer, muita clucht e camisa dentro das calças... 

 (Imagem aqui)

E eu amaldiçoei o facebook e as pessoas que consideraram aquele evento de entrada livre. Porque de livre teve muito pouco, já que foi uma festa privada, para a elite algarvia, na qual abriram portas à plebe às horas em que nada mais havia para ver que não fossem os restos da festa.

Amaldiçoei os 55km que me separavam do meu sofá.

Valeu o jantar que, pelo menos, foi bom!

 

01
Jun17

6. Às quintas viajamos...

C.S.

Bom dia!!!

 

Sem demoras, vamos a mais uma viagem. Quem nos guia hoje pelos caminhos da sua adolescência é a simpatiquíssima miss queer, do blog Dez Segundos . (Se não conhecem, façam o favor de visitar. É lá que ela partilha connosco histórias e peripécias dos momentos que compõem a sua vida e daqueles que a rodeiam).

 

(Imagem aqui)

 

Bom dia!

Obrigada, C.S. pelo convite para participar nesta rubrica.

Estive indecisa entre falar-vos sobre a minha viagem a Salou, antes daquilo virar destino de viagens de finalistas; a minha viagem à Madeira, mas já muitas de vocês conhecem; a minha viagem a Leiria, na altura da queima das fitas (apanhei a maior bebedeira da minha vida)… mas a escolha recaiu mesmo sobre a minha viagem de finalistas!

Para contextualizar, fiz o 12.º ano num colégio, sendo nós a única turma de 12.º. O colégio pertence a uma empresa que tem agências de viagens. O diretor do colégio, algum tempo antes, veio ter connosco e perguntou-nos quais os nossos destinos preferidos, para que pudesse tratar da viagem. A realidade é que chegámos à semana que antecedia a viagem e o senhor não tinha tratado de nada.

Nós, doze jovens muito proativos, pusemos o cérebro a funcionar e decidimos tratar do assunto.

Destino: Armação de Pêra! Alugámos a casa a um professor do colégio, enfiámo-nos no expresso e lá fomos, durante sete dias.

Chegados a Armação de Pêra, fizemos pares (à sorte) e dividimos tarefas. Todos cozinhámos, todos limpámos, todos fomos às compras.

Havia dois quartos e uma sala. O quarto de casal ficou para o único casal existente na turma. O outro quarto, com duas camas individuais, ficou para as meninas (5) e os meninos ficaram a dormir na sala. Bem, o G. chegou a vir dormir connosco nas camas. Ficávamos a conversar, a jogar verdade ou consequência, alguém adormecia a meio de uma conversa… E de repente acordava e continuava a falar como se nada tivesse acontecido. Tive pessoas a dormirem abraçadas aos meus pés! Durante esses dias, fizemos fondue de frutas e bolachinhas, comemos sempre bem. Íamos passear à noite (simplesmente vaguear pelas ruas), fomos a bares, fomos aos Zoomarine…

Mas claro, tinha de haver uma peripécia. Uma noite, fizemos um panelão de sangria, pegámos em copos e fomos para a praia. Divertimo-nos, até que o G. e a M. (uma das minhas melhores amigas) se afastam para ir conversar. A A. e a MA também se afastaram para ir conversar. Eu e o P. mandámos os outros para casa e fomos lá para cima, esperar pelos que tinham ficado a conversar. Estávamos a conversar, quando nos aparece um homem bêbado, com uma seringa e uma garrafa partida na mão, a ameaçar-nos. Nós não tínhamos nada para lhe dar… Mas o nosso medo maior foi quando o vemos descer as escadas, para onde estava o G. e a M.! Felizmente, eles tinham-nos ouvido e fugido e foram avisar as outras meninas.

Quando oiço falar nestas viagens de finalistas, em que há muitas confusões, lembro-me sempre da minha. Pode ter sido num sítio mais «fraco», mas foi muito mais rica emocionalmente. Tivemos discussões, ponderámos vir embora mais cedo, mas resistimos! E não precisámos beber até cair para o lado, partir coisas ou seja o que for.

 

(Imagem aqui)

Que tal? Tenho cá um feeling que o destino de hoje é daqueles onde toda a minha gente já colocou o pezinho, não? (Mas não deve ter sido no mês de agosto, porque nessa altura a malta já reservou a área toda há mais de três meses através da colocação de chapéus de sol e toalhas. )

 

Beijinhos e voltem sempre, tá?

15
Abr17

Sou eu a única a pensar isto?

C.S.

Parece que estamos em agosto. Não, não é que as temperaturas tenham aumentado assim tanto, é que parece que todo o mundo teve a mesma ideia: vir passar a Páscoa ao Algarve.

Hoje demorei 20 minutos até conseguir pagar o pequeno almoço e comprar pão e mais 30 minutos na fila do supermercado, ouvi pessoas a gritar com funcionários dos estabelecimentos onde estive, tal como o fazem nas férias do verão, quando parece que todos veem para o Algarve cheios de direitos e nenhum dever. E ainda não eram 10:30h.

Não me comecem já a acusar de impaciente ou intolerante. Sei bem que o Algarve sobrevive, sobretudo, com receitas que provêm do turismo. Mas também sei que quem cá anda o ano todo, independentemente de ser Algarvio ou não, merece ser bem tratado. E com isto quero dizer que as pessoas têm de saber respeitar quem os está a servir. O respeitinho é muito bonito, é algo que os meus pais me ensinaram desde cedo.

 

(Imagem aqui)

13
Jan17

O Algarve não é só mar

C.S.

O Algarve não é só mar. Eu sei-o, vocês também, mas por vezes esquecemo-nos. E esquecemos porque, de facto, as praias algarvias são maravilhosas e são elas o sustento do turismo no Algarve.

Contudo, é bom que não esqueçamos que o Algarve também são as pessoas que por cá andam, muitas delas filhas da terra, mas muitas outras (como é o meu caso) filhas de outras terras, mas que criaram raízes aqui. O Algarve é feito de brisa marinha, sim, mas também de laranjas, amendoeiras e medronho. O Algarve é feito de serra, muita serra, que esconde recantos que a maioria dos portugueses (arrisco-me eu a dizer) não conhece. E também ela merece a nossa admiração, o nosso respeito e a nossa contemplação. A serra de Monchique, no verão de 2016, sofreu com um dos muitos incêndios que devastaram o nosso país. Um dia destes passei por lá e fiquei muito contente ao ver que a vegetação já está, literalmente, a renascer das cinzas e não pude deixar de me questionar se quem ruma ao Algarve nos meses de verão se lembra deste outro Algarve.

Esta terra, que para muitos é sazonal, na verdade tem beleza todo o ano, seja na sua costa, seja nos sítios mais remotos. A sensação que por vezes temos, os que por cá vivem, é que o Algarve funciona a meio gás de outubro até ao final de maio, com uma única interrupção, no final de cada ano civil, feita por aqueles que procuram fogo-de-artifício numa praia qualquer.  

15995501_1357065944333229_668560290_n.jpg

 

Esta terra não é perfeita, porque a perfeição é um conceito abstrato e variável, porém tem encanto suficiente para que não seja lembrada apenas na loucura de julho e agosto.

 

Deixo-vos uma foto que tirei no castelo de Aljezur. Sabiam que Aljezur tem castelo? :)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D