Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

30
Mai18

Sobre a Eutanásia

C.S.

Eutanásia.

Creio que é um assunto que ninguém aborda de ânimo leve. É algo sério, porque mexe diretamente com a vida. Com o fim dela, mais concretamente. 

Quando penso neste assunto há uma pergunta que se formula imediatamente na minha mente: se não fossem os avanços da medicina os doentes terminais não morreriam mais rapidamente? 

E logo surge outra: não estaremos a ser egoístas ao negar o fim de um sofrimento contínuo a alguém?

Julgo que todos sabemos que caso o recurso à eutanásia passasse a ser opção só o seria em casos muito concretos e sob uma legislação própria. Ninguém cairá no erro de julgar que o país passaria a aplaudir o suicídio, pois não?

Dizer sim à eutanásia é garantir que uma pessoa em sofrimento prolongado e num estado considerado irreversível possa dizer algo semelhante a isto:"eu sei que vou morrer, sei que não irei melhorar e que os dias que me restam não me trarão qualquer alegria, por isso escolho quando será o meu fim". 

Não será legítimo que possamos ter esta opção?

Não gostavam de ter esta opção caso se vissem perto do fim e em agonia contínua?

E ter essa opção é só isso mesmo, ter opção, ninguém é obrigado a fazê-lo.

Afinal o que se ganha em prolongar o sofrimento? É que eu não consigo pensar em nada positivo que advenha dessa situação. 

Deveríamos ser capazes, enquanto sociedade, de abordar e refletir acerca destes assuntos de forma racional, sem deixar que crenças religiosas interfiram no nossos discernimento. 

download.jpg

 (Imagem aqui)

 

Ontem, de tudo aquilo que li no rescaldo do "Não" do Parlamento, ficaram na minha memória as palavras que Bruno Nogueira escreveu no seu Instagram:

Ganhou o não. O sim, ao que parece, mata.
Nada como esperar em sofrimento e dor, a definhar e a agonizar numa cama, a cuspir sangue e a respirar entre tubos e máquinas, que quando tiver agenda deus logo nos chama para junto dele. Ou o Homem-Aranha. Ou qualquer outro super-herói que conheçam e que apreciem particularmente.
Aguentar que alguém seja espremido até ser só osso e pele e um gemido que se parece mesmo com a pessoa que viveu lá dentro. Até não vos conhecer de tão morto que está, mas vivo à força. Que as dores o façam contorcer-se até querer voltar a ser ninguém.
E talvez aí sim, quando sobrar só uma carcaça com pouco por onde espremer, talvez aí valha a pena morrer. 
Até lá, eles que aguentem, que a nossa vez ainda vai longe.

 

27
Dez17

Fugiram de Casa de Seus Pais, na RTP1

C.S.

Fugiram de Casa de Seus Pais é o mais recente projeto de Bruno Nogueira que se une a Miguel Esteves Cardoso numa conversa informal.

(Imagem aqui)

Deparei-me com este programa ontem, por acaso, quando fazia zapping e como são duas personalidades que admiro puxei a conversa para trás, dado que já ia a meio, e fiquei a assistir. Em boa hora o fiz. 

Ficamos com a sensação que estamos a assistir a uma conversa entre amigos, que às fazes poderá parecer absurda, mas que é sempre divertida. Bruno e Miguel falam de "temas", sem guião, e não têm qualquer receio em abordar assuntos que, à primeira vista, possam parecer completamente desprovidos de interesse, sobretudo, se pensarmos que estão a ser abordados na televisão. 

A conversa vai-se desenrolando numa sala, da casa de Miguel Esteves Cardoso, e a certa altura aparece um convidado, sem qualquer anúncio prévio, que se introduz naturalmente no tema que esteja a ser falado. Sem preâmbulos ou agradecimentos.

No primeiro programa que vi, que era o 4.º a ser transmitido pela RTP, a convidada era Capicua, que se entrosou bastante bem com os dois anfitriões. 

Quando o programa terminou estava rendida ao formato e fui ao YouTube ver se estavam por lá os três primeiros programas. E estavam! Os convidados foram, por esta ordem, Gisela João, Nuno Markl e Rodrigo Guedes de Carvalho.

Dos quatro convidados, o que menos gostei foi Gisela João, que foi lamentar-se junto de Bruno Nogueira e Miguel E. Cardoso sobre o facto de estar solteira, os homens não a convidarem para sair ou não ter um homem no sofá para alimentar com os seus cozinhados. Achei a posição da fadista pouco interessante e com ideias, aqui e ali, algo machistas. 

Quantos aos outros convidados, gostei muito de vê-los, mas na minha opinião o programa nem precisava de uma terceira pessoa, pois Bruno e Miguel são capazes de produzir diálogos suficientemente criativos e atrativos para captarem a nossa atenção e nos fazerem soltar uma gargalhada de vez em quando. 

 (Imagem aqui)

Se tiverem oportunidade vejam, garanto-vos que valerá o tempo despendido. 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D