Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

16
Dez19

O meu Calendário do Advento

C.S.

Espero que nesta tarde de chuva se encontrem com os pés quentinhos. Eu estou a beber um aromático café e a ver a chuva lá fora enquanto vos escrevo. Já despachei as avaliações dos meus alunos e estou pronta para os longos dias de reuniões que se adivinham, mas enquanto isso, hoje tenho a tarde para mim e por isso decidi vir partilhar um pouco do meu tempo também convosco. 

Peço-vos que cliquem no play antes de prosseguirem. Que o que aí vem precisa de banda sonora. 

 

 

Entrámos na última semana antes do Natal e por aqui o entusiasmo é grande, como sempre, ou não fosse eu uma fã confessa desta quadra. E hoje venho-vos falar do meu primeiro Calendário do Advento.

Como vocês sabem, este tipo de calendários consiste numa contagem regressiva até ao Natal e inicia-se no primeiro dia de dezembro. Não pensem que comprei um calendário cheio de chocolates ou maquilhagem, não, é muito melhor que isso. 

O meu adorável mais-que-tudo, não há outra forma de o descrever, decidiu este ano - ele que nunca tem ideias para prendas! - fazer-me um Calendário do Advento. Desde o dia 1 de dezembro que tenho recebido uma prendinha diária, junto à árvore de Natal. 

E adivinhem? Estou a adorar! Parece que todas as manhãs é manhã de Natal. Tenho recebido variadíssimas coisas, desde um postal amoroso, uma ida ao cinema a dois, ou uma escova de dentes, de bambu, passando por livros e terminando em decorações natalícias, tem sido um verdadeiro deleite. Mas mais que isso, tem sido incrível ver a forma como ele todos os dias me tenta surpreender e fazer feliz. Logo ele, que não era fã do Natal. Logo ele, que não se importava de trabalhar nesta quadra. Logo ele, a quem eu carinhosamente chamo Grinch. O meu Grinch. O melhor de todos. 

 

06
Mar19

O dia em que a B. conheceu o Miguel Araújo

C.S.

Lembram-se de vos ter dito, (aqui), que a prenda de aniversário que ofereci à B. foi bilhetes para um concerto do Miguel Araújo? 

 

No dia 16 de fevereiro lá fomos ao belíssimo e único Teatro Garcia de Resende, em Évora, - se não conhecem aconselho-vos vivamente a fazê-lo - para assistir ao concerto. O espetáculo foi inserido no festival de música do Dia dos Namorados, Às vezes o Amor, do Montepio, e serviu como pontapé de saída para a digressão que o cantautor está a fazer pelo país, a solo, e que dá pelo nome de Casca de Noz.

(Imagem aqui)

 

 

Com o aproximar da hora do espetáculo a minha sobrinha, com os seus 8 anos acabadinhos de fazer, estava numa ansiedade que só vista. Proferiu frases como: "Tia, parece que tenho as pernas a tremer.", "Mas porque é que o tio está a demorar tanto para estacionar o carro?", "E se nos atrasamos?".

 

1.png

 

 

Com um bocadinho de atraso, que à B. pareceu uma eternidade, o concerto lá começou. Enternecedor. Intimista. Encantador. Miguel Araújo foi tudo isso, com as suas letras e algumas músicas que ele foi buscar a quem o inspira. Para mim, o momento alto da noite foi quando o Miguel cantou País do Gelo, de Rui Veloso. Não conhecia a música e a interpretação que o Miguel fez arrebatou-me. 

 

2.png

 

 

E a B.? A B. estava a cair de sono.  Fez um esforço enorme para se manter acordada e conseguiu. E no final ganhou uma dose de energia vinda não sei de onde. Quando lhe disse que já podíamos ir para casa, ela respondeu-me:

- E o meu desenho?

- Ainda queres tentar entregar o desenho, não tens sono?

- Claro que quero entregar, tia!

 

Conclusão: lá perguntei a um dos técnicos da equipa do Miguel se era possível entregar-lhe o desenho dela e ele disse que se esperássemos uns 10 minutos ele viria recebê-lo pessoalmente. Deveriam ver a cara da miúda. Entre a vergonha e o entusiasmo lá esperou. E não só entregou o desenho, como lhe disse: "Desculpa, fiz para ti, mas foi um pouco à pressa.", tirou foto e ganhou dois beijinhos. 

Quando entrou no carro: "Nem acredito que isto me aconteceu. Foi o melhor dia da minha vida. Tia, podes enviar a foto à mãe? É que eu quero pô-la no meu quarto.". 

 

E foi isto. Momento únicos que não se esquecem. 

 

05
Fev19

Há 8 anos que o dia 5 passou a ser especial

C.S.

Há 8 anos nascia a minha sobrinha. É cliché dizê-lo, bem sei, mas é incrível como o tempo corre. 

A B. é, provavelmente, a criança mais feliz que conheço e isso deixa-me imensamente feliz, porque nos dias de hoje não é fácil ser uma criança feliz. Ao contrário do que se possa pensar. (Perdoem-me a repetição.)

Acabei de falar com ela, (as tecnologias ajudam sempre a encurtar a distância), e fiquei com um sorriso de orelha a orelha. É sempre assim, quando falo com ela tenho a sensação que volto a ser um pouco criança. 

Tem os olhos verdes e um coração gigante. Adora gelados de chocolate e lambuza-se toda a comê-los, mas não se importa mesmo nada com isso. Gosta de vestir roupa nova e de ver desenhos animados. Também gosta de ler. Tem uma gargalhada contagiosa e adora conversar. Na verdade é uma verdadeira tagarela. 

Disse-me que adorou a prenda que lhe enviei e dentro de 15 dias, mais coisa menos coisa, iremos desfrutar dela juntas. Eu e o A. vamos levá-la a um concerto do Miguel Araújo, é que a miúda tem bom gosto musical. Acho que sai à tia. 

"Foi uma das melhores prendas que recebi, Tiki." - disse ela. E o meu coração derreteu um bocadinho. 

(Imagem aqui)

15
Jan19

15 de janeiro é o dia do meu Pai

C.S.

Faz hoje anos o meu pai. Gosto tanto dele. 

É um homem simples. Sempre quis coisas simples da vida, mas nem sempre a vida lhe sorriu. 

Tem os valores certos e soube transmiti-los. A mim, à minha irmã, à minha sobrinha. Sempre pronto a estender-nos a mão. É um pai excelente, com algumas sombras, é certo, mas quem não as tem?

Acompanhou-me sempre nos primeiros anos, diz que mudou muitas fraldas e eu acredito nele, fazia jogos comigo e entretinha-me. Disso lembro-me bem. Levou-me à escola tantas vezes. Largou uma lágrima a primeira vez que me viu com o traje universitário e também queimou as fitas comigo. Abraçou-me cheio de orgulho quando saí de casa para dar aulas pela primeira vez. Caminhou ao meu lado no altar, no dia do meu casamento, segurando-me o braço e segredando-me para ir mais devagar, quando eu parecia querer correr para o amor que me esperava. Visita-me sempre que pode e eu a ele.

Hoje vivemos longe, mas temos laços que persistem ao tempo, quanto mais à distância. 

Parabéns, Pai. 

Come uma fatia de bolo por mim. 

(Imagem aqui)

20
Dez18

É tempo para refletir, respirar e apreciar!

C.S.

É tempo de pausa. De correr apenas em direção a abraços apertados. 

É tempo para refletir. Pensar no que fizemos, arrumar e seguir em frente. 

É tempo para respirar. Apreciar os cheiros típicos desta época, deixá-los invadir-nos. 

É tempo de apreciar. Olhar à nossa volta, absorver e agradecer. 

Tenho andado num corrupio. Sem tempo para nada, sempre à pressa, sempre em stress e isso tem-se refletido até aqui, neste espacinho de que gosto tanto, mas que acaba por ser dos primeiros a ficar para trás quando não tenho mãos a medir. 

Já tenho todas as prendas de Natal compradas, fi-lo com tempo, já há alguns anos que adoto esta estratégia, comprar tudo cedo, para que o Natal - que adoro! - não seja mais um motivo de stress. 

O trabalho é que tem sido imenso. Desgastante. Mas agora está em pausa. Agora é para ver filmes, ler, beber bebidas quentes, ouvir músicas que nos enchem o espírito. Agora é para amar, dar, viver. Entregarmo-nos inteiramente. 

Deixem-se ir... E fiquem com esta intemporal. Linda. 

 

 

 

14
Nov18

Coisas em que acreditávamos na infância

C.S.

Bom dia!...

Como estão? 

Hoje, nas Manhãs da Rádio Comercial, estavam a pedir para recordar coisas em que acreditávamos em crianças, aquelas coisas que só a inocência dos primeiros anos nos leva a acreditar, e eu fiquei com vontade de vir aqui partilhar este tema convosco. 

Cleo_infancia-1000x600.jpg

(Imagem aqui)

Cá vai...

Quando eu era criança acreditava que se o ecrã da TV se partisse do outro lado estariam as pessoas a representar aquilo que era transmitido. (Ahahahah...) 

 

Também acreditava no Pai Natal, acreditei até que o professor de E.M.R.C. (vulgo moral), na escola primária, decidiu acabar com a minha fantasia e de uma forma algo cruel. Mas sabem que mais? Não resultou como ele queria. De certa forma, continuo a acreditar no Pai Natal, na magia desta quadra que, para mim, é a mais especial das festas, pois é a que aproxima as pessoas e aquece os corações. 

 

Acreditei também na Cuca, uma espécie de Bicho Papão que a minha mãe inventou. Não fiquei traumatizada com a Cuca, até porque não me lembro de me aterrorizarem com esta figura, mas sei que às vezes se fazia referência a ela. Na minha cabeça era uma velha malvada que levava as crianças que se comportavam mal. 

 

A minha irmã, que é mais nova que eu, acreditava que, quando a TV era a preto e branco, as pessoas, no mundo real, também se viam a preto e branco. Quando ela me disse isto foi uma delícia. O que eu ri... 

 

E vocês? Tiveram crenças engraçadas? 

Partilhem comigo a vossa inocência. 

Boa quarta-feira!

12
Nov18

É o tempo que nos faz

C.S.

O tempo é, para mim, um dos grandes mistérios do universo. 

Não é palpável. Muitas vezes não o sentimos e, no entanto, se olharmos com atenção conseguimos vê-lo.

Este fim-de-semana que passou vi O Tempo.

Vi-O.

Vi-o claramente. 

Pude observar a forma como ele passa por nós. Impiedoso. Acutilante. 

Vi-o nas rugas da minha mãe. 

Estava nos cabelos brancos do meu pai.

Transformou a minha irmã. Já não é a menina de quem tenho de cuidar. É agora outra coisa. Quase adulta, acho. Feliz, espero. 

Estava em casa dos meus sogros. Quase disfarçado. Mergulhando tudo numa espécie de decadência. 

Mostrou-se evidente nos meus primos... Nos de 5, 11, 21 e 40 anos. 

E quando o vi na minha sobrinha quase lhe implorei que andasse devagarinho. Que a deixe ser menina, inocente e feliz sempre. 

Muitas vezes não sei o que o tempo fez comigo. 

Sei que me moldou. 

Porque não para. 

Não volta.

Não se arrepende. 

O tempo que nos trespassa e repassa.

E corre. A um ritmo perfeito e só seu, que ninguém consegue acompanhar. 

O tempo que se ri de nós. 

Ano, após ano, na sua eternidade. 

Ri. Brinca. Faz o que quer. 

Deixa-nos viver.

Mas de vez em quando exibe-se.

Olha-nos nos olhos, só para nos lembrar que anda por aqui. 

Lembra-nos que, ao contrário de nós, é imortal. 

Que nós não temos tempo a perder.

(Imagem aqui)

 

14
Ago18

Conversas de uma tarde de verão

C.S.

Há dias calhou perguntar a alguém o que preferia:

- A casa dos teus sonhos ou fazeres uma volta ao mundo?

A pessoa em questão ouvia-me com atenção, sorriu e respondeu sem hesitar: 

- A casa, claro.

 

Eu já sabia que a resposta seria essa. Conheço a pessoa a quem dirigi a pergunta demasiado bem. Educou-me. Transmitiu-me valores. Sei o que a faria feliz. E sei que na minha família a maioria, se não todos, daria a mesma resposta. 

 

- Eu escolheria viajar, sem dúvida. Sem qualquer tipo de hesitação. Já viste como o mundo é grande e ao mesmo tempo tão pequeno que nos é acessível? Quem me dera poder conhecer o maior número de pessoas e culturas... 

(Imagem aqui)

 

E entretanto calei-me. Fiquei por aqui. O que eu estava a dizer, o que eu pudesse argumentar não iria fazer sentido para o meu interlocutor.

Respirei fundo... Fechei os olhos e pensei: não há nada que me ensine tanto quanto viajar. Ir a outros lugares proporciona-nos a oportunidade de nos tornarmos mais humildes e tolerantes, permite-nos relativizar e ajuda-nos a ter cada vez mais empatia e compaixão. 

O que nos ensina uma casa grande? O que nos faz enquanto pessoas um carro da marca X, Y ou Z? Muito pouco ou nada. 

Por outro lado, compreendo muito bem a escolha da casa. Vinda daquela pessoa, conhecendo o contexto em que cresceu e a forma como foi educada, sabendo as privações por que passou, sei que a resposta não poderia ser outra. A casa seria para si um sinónimo de estabilidade, uma forma de deixar de contar tostões, a realização de que havia alcançado algo, visível e palpável.

Compreendo-o. Compreendo-te, pai. Quem me dera poder dar-te a tua estabilidade e segurança. Sei que achas que a resposta que eu te dei é uma perfeita loucura. Mas de alguma forma, quando eu comecei a entender a dimensão daquilo que nos rodeia e a compreender que não temos de nascer, viver e morrer no mesmo sítio, um mundo novo abriu-se para mim e jamais quero que ele se feche. 

Apercebo-me agora que as últimas três ou quatro gerações da nossa família têm vivido confinadas entre quatro paredes. E sabes o que eu sinto? Uma enorme vontade de parti-las todas. A primeira já foi e já consegui rachar a segunda. 

Não há nada como a sensação de sentirmo-nos livres. 

Eu posso ir onde eu quiser. 

(Imagem aqui)

 

 

 

14
Dez17

A magia do Pai Natal (memórias da minha infância)

C.S.

Era dezembro. Início talvez. E eu fui com a minha mãe espreitar uma pequena loja de brinquedos que havia no meu bairro. 

 

Nunca compreendi como é que aquela loja surgiu ali. Quem foi o iluminado que achou que uma loja de brinquedos poderia ter futuro num bairro como o meu (um dia falo-vos do meu bairro). Não sei quanto tempo de vida teve essa loja, mas sei que foi um tempo feliz para mim. Podia entrar e ver, se a minha mãe me levasse. E ver já era sonhar.

 

Era dezembro e fomos lá. Eu e a minha mãe. Teria uns 6 anos, talvez. Como qualquer criança, vi tudo e gostei de tudo, mas gostei mais ainda de algo que se assemelhava a um computador, daqueles para crianças. O visor tinha uma ranhura onde se colocavam os imensos cartões de jogos que trazia. Era didático e diferente de tudo o que eu tinha visto até então. Era mesmo o que eu queria para o Natal. Mostrei à minha mãe. Ela olhou e disse-me que era muito caro. Demasiado caro. E os meus sonhos caíram por terra. 

 

Sempre soubemos, eu e a minha irmã, que contra o "muito caro" não havia nada a fazer. Fomos acostumadas a saber, desde tenra idade, que a nossa família vivia com as economia contadas. E fomos acostumadas a não tentar argumentar contra o "muito caro". Acho que os meus pais fizeram um ótimo trabalho nesta área. 

 

O tempo passou. Chegou o Natal. A noite de Natal foi boa, em família, como deve ser. Jantámos, rimos, trocámos as prendas e, claro, o computadorzinho não chegou.

 

Fui para a cama feliz, como ia sempre no Natal. Mas antes fui deixar o meu sapatinho na cozinha, porque o Pai Natal passava sempre na minha casa. 

 

No dia 25 de dezembro eu acordava sempre muito cedo, por dois motivos: ver se o Pai Natal tinha passado e ver os desenhos animados que davam na tv. No Natal davam desenhos animados alusivos ao Natal e isso era uma alegria tremenda para mim. 

 

Era 25 de dezembro de um ano do início dos anos 90 e eu jamais esquecerei. Na cozinha, em cima do meu minúsculo sapato, estava uma caixa grande. Linda. Bem embrulhada, com um grande laço. 

 

Não sei bem como, mas lá a consegui tirar sozinha, os meus pais ainda dormiam. O meu coração batia descompassadamente, porque o Pai Natal nunca me tinha trazido algo tão grande.

 

Abri sem cuidado, rasguei o papel o mais rápido que pude e ali estava ele. Diante dos meus olhos. O computador da loja de brinquedos! Acho que me faltou o ar... Fui a correr até ao quarto dos meus pais, acordei-os dizendo: 

- Venham ver. Não vão acreditar!!! O Pai Natal deu-me o computador que eu queria!!! Aquele muito caro!!! Mas como é que ele sabia?! Como?! Como é que ele sabia se eu o vi na loja do bairro?!

(Imagem aqui)

E foi assim que eu ia tendo um ataque cardíaco numa manhã fria de Natal. Acho que foi a prenda que mais emoção me causou. E foi incrível! 

 

22
Nov17

Para mim, o Natal começa hoje!

C.S.

Para uns o Natal já começou. Por esta altura já muita gente foi buscar a sua árvore e tratou de enfeitá-la. Há gente que já tem presentes embrulhados e tudo, que eu bem os vejo quando vou às compras, numa luta louca com o papel e a fita-cola naquelas bancadas DIY. 

Outros haverá que nem querem ouvir falar de Natal antes de dia 20 de dezembro, são as pessoas que fazem as compras à última da hora, que amaldiçoam as filas, mas que todos os anos cometem os mesmos erros. 

Temos ainda aquele grupo onde eu penso que a maioria se insere, que é os que começam a pensar no Natal no início de dezembro. Normalmente tratam da decoração da casa no primeiro fim-se-semana do último mês do ano. Pessoalmente, creio que é o que faz mais sentido, ainda que, por uma questão de organização e economias, às vezes, no início do mês doze já tenha algumas prendinhas compradas. 

(Imagem aqui)

 

Contudo, para mim este ano será diferente. O Natal começa hoje. Dia 22 de novembro. Mas já lá vamos...

Vou-vos confessar mais um pormenor sobre a minha pessoa que vocês ainda não sabem: eu ADORO o Natal.

Adoro mesmo. Julgo que não há época mais feliz no ano. Ainda que esteja frio, ainda que seja uma das épocas do ano em que o pico de gripe dispara, ainda que haja sempre quem resmunga que o Natal já não é o que era, ainda que digam que se tornou consumista, ainda que tanta coisa! 

As luzes, as músicas, a árvore, os filmes, o aconchego da nossa casa, as comidas e a família, claro está, toda reunida. O Natal é tudo isto e mais um pouco. É aquela época em que as pessoas amolecem o coração, desaceleram o stress, apreciam o que se passa à sua volta e pensam verdadeiramente nos outros. 

O Natal é dar e também receber. Se damos amor, recebemos amor. As prendas têm apenas a importância que nós queremos. 

E para mim o Natal de 2017 começa hoje porque sei que vou fazer feliz uma das pessoas que mais adoro. Uma pessoa pequenina, que hoje terá a surpresa de saber que vai fazer uma viagem nos próximos dias, que anda a ser planeada há algum tempo, mas da qual ela nem sonha. A minha pequena B. hoje vai ficar de boca aberta quando me vir à porta da sua escolinha. E é assim que começa o Natal para mim, quando ela me der um abraço apertadinho. 

(Imagem aqui)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D