Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

27
Out20

Valeria, a série da Netflix que têm de ver

C.S.

(Imagem aqui)

 

Valeria é uma série da Netflix inspirada tetralogia de Elísabet Benavent. E eu acabo de vê-la, após ter terminado de ler os livros. 

Relativamente aos livros, deixem-me dizer-vos que passei bons momentos com eles, não são os melhores livros que li em 2020, mas fizeram-me rir, apaixonar e levaram-me a Madrid. E foram suficientemente bons para ter lido os quatro de seguida. 

E a série? Não me desiludiu nada. Na verdade adorei. Tanto que venho aqui recomendá-la. São apenas 8 episódios que devoramos em tempo recorde. Creio que os personagens acabam por ter uma história mais interessante na série, têm mais background. Valeria é super atual e oferece-nos diálogos maravilhosos. Adoro a relação de amizade daquelas quatro amigas. Adoro que a Valeria queira ser escritora e não desista do seu sonho. E claro, adoro o romance que começa a surgir com Víctor (um homem ao qual nenhuma mulher conseguiria resistir, aviso já ). O final também é ótimo, real e deixa-nos a ansiar por mais. 

Mas se todos estes argumentos não vos servirem, deixo aqui O argumento bónus, aquele que sei que será infalível (). 

(Imagem aqui)

07
Fev20

#2 Sugestão para o fim de semana: Sex Education

C.S.

Se por acaso ainda não viram a segunda temporada de Sex Education, da Netflix, este é um bom fim de semana para fazê-lo. 

Esta série foi uma das surpresas de 2019, (falei-vos da temporada 1 aqui), e o início de 2020 trouxe-nos a segunda temporada.

(Imagem aqui)

Nesta segunda temporada Otis,  (Asa Butterfield), parece estar feliz com a sua relação com  Ola, (Patricia Allison), e confiante de que as coisas só poderão correr-lhe melhor agora que tem namorada. Mas todos sabemos que o amor é complicado e na adolescência ainda pior. É quando Maeve, (Emma Mackey), regressa a Moordale que tudo se complica. 

Já Eric, (Ncuti Gatwa), melhor amigo de Otis, está dividido entre dois amores e afirma-se, uma vez mais, como um dos personagens mais interessantes e queridos desta série. 

O que também é muito interessante ver nesta segunda temporada é a forma como a mãe de Otis, Jean, (Gillian Anderson), se integra na escola, como terapeuta, ao mesmo tempo que vai lidando com o facto de poder estar efetivamente apaixonada, coisa que não lhe acontecia há anos. Parece-me que a introdução desta personagem na escola é uma forma de sermos alertados para a necessidade que há de falar com os jovens sobre a sexualidade. 

 

Resta-me dizer-vos que, ainda que não me tenha surpreendido tanto quanto a primeira temporada, gostei bastante da segunda temporada de Sex Education e os oito episódios que a constituem sabem a pouco. Adorei o episódio onde ressalta a solidariedade feminina, que tanta falta faz numa sociedade como a nossa. 

Nota final para os locais onde a série é filmada, pois somos brindados com paisagens deslumbrantes, de um verde lindíssimo. Quem não quereria viver na casa de Otis e estar rodeado de verde? Eu queria! Vejo-me a tomar o pequeno almoço e a ler um livro naquela varanda maravilhosa. 

 

 

10
Jan20

#1 Sugestão para o fim de semana: Atypical

C.S.

Atypical foi a primeira série que comecei a ver em 2020 e gostei tanto que já vi as 3 temporadas. 

(Imagem aqui)

É uma série que todos deveriam ver, na minha opinião, porque aborda a diferença, mostrando-nos que o ser humano é capaz de se superar, com apoio e perseverança. 

Adoro séries que são, efetivamente, sobre pessoas, com problemas reais, com dúvidas, com erros e com vontade de mudar e fazer melhor. Atypical é sobre tudo isso e também sobre um adolescente que está no espectro autista. Mas o que me agrada nesta série é que o foco não está apenas no transtorno de que Sam padece, pois vemos os restantes elementos da sua família a lidar com os mais variados problemas pessoais, que são desde a infidelidade à descoberta da homossexualidade. 

Espero que a Netflix faça uma quarta temporada, uma vez que acredito que ainda há muito por contar sobre a vida destes personagens que me fizeram rir e emocionar na mesma medida. 

 

Fica o trailer.

 

 

 

05
Fev19

Desde que o ano começou, o que é que eu já vi que valha a pena recomendar?

C.S.

Vocês bem sabem que eu não tenho tido muito tempo livre. É verdade, tenho-me queixado bastante e sinto alguma vergonha por isso, ainda que esteja mesmo a viver dias muito cinzentos no que toca a trabalho.

 

Contudo, aqui e ali ainda vou arranjando uns espacinhos para fazer alguma coisa que me dá prazer, como por exemplo ver filmes e séries. 

 

Já vos falei de Sex Education. A série que estreou na Netflix a 11/01 e que eu devorei em dois dias. Desde aí a coisa já viralizou e é a série in do momento. Se não viram, vejam. Vale mesmo a pena e a Netflix já nos garantiu uma 2ª temporada. 

 

Entretanto, vi A star is born. O filme que coloca Bradley Cooper e Lady Gaga nos papéis principais. Se gostei? Sim, gostei mesmo muito. Creio que o filme está feito para a Gaga brilhar, mas eu acho que o Bradleyzinho não lhe fica nada atrás. É uma história previsível? É. Mas também são 2h14 de bom cinema. E a banda sonora é completamente pegadiça. Eu gosto especialmente de Always Remember Us This Way.

 

Comecei a ver, há umas duas semanas, a série YOU, da Netflix. Diria que é uma série que nos prende ao mesmo tempo que nos causa algum mau estar, por isso creio que cumpre muito bem na categoria de série drama/suspense. 

Esta série conta-nos a história de Joe e da obsessão que ele desenvolve por Beck, uma rapariga por quem se apaixona. Mas à medida que vamos conhecendo Beck compreendemos que ela está longe de ser a rapariga angelical que no início somos levados a crer que é.

Até onde estará disposto Joe a ir para "salvar" Beck e alimentar este seu amor pouco saudável? 

(Imagem aqui)

 

Por último quero falar-vos de uma comédia dramática, também da Netflix, da qual estou a gostar bastante, trata-se de Grace & Frankie, a série que trouxe novamente para o ecrã Jane Fonda e Lily Tomlin. 

Esta série aborda, essencialmente, questões relacionadas com (a designada) 3ª idade, mas sobretudo quebra uma série de tabus, nomeadamente quanto a questões de sexualidade. 

Grace e Frankie são deixadas pelos respetivos maridos, que se apaixonam um pelo outro. Com esta nova realidade as duas mulheres ficam completamente vulneráveis e terão de se adaptar às suas novas condições. E como decidem fazê-lo? Começando uma nova amizade e indo viver juntas, pois só elas sabem as dores pelas quais estão passando. 

(Imagem aqui)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D