Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

04
Fev20

"Trabalhar no Interior" ou A nova Propaganda do Governo

C.S.

Governo dá até 4800 euros a quem for viver para o interior

 

Este era o título de uma notícia de ontem, do Jornal Público. 

O anuncio foi feito pela Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e tratam-se de uma série de medidas que visam incentivar as pessoas a fixar-se no interior do país. 

Mas eu tenho algumas questões, porque não me parece que sejam os 2000€  a 4000€ (e resta saber que tipo de condições têm de ser reunidas para os receber...) que vão resolver esta problemática, que é real, bem real. 

Por exemplo:

- E a falta de médicos?

- E a falta de meios nos hospitais e/ou centros de saúde?

- E a falta de lares?

- E a falta de creches?

- E a falta de transportes públicos? (A rede de comboios no interior do país é uma anedota.)

- E a falta de infraestruturas (do desporto à cultura, é escolher)?

- E as pessoas que, como eu, são do interior do país, trabalhadores do estado, e mandam-nos para o litoral (Lisboa e Algarve, essencialmente)?

 

Fica bonito dizer que se criaram incentivos. Fica bem, nas "gordas" dos diversos jornais, anunciado um incentivo monetário do governo, mas a mim parece-me que isto é, uma vez mais, tapar o sol com a peneira. Na prática ficaremos na mesma. 

(Imagem aqui)

 

 

16
Ago19

Podia ser sempre assim...

C.S.

Hoje, enquanto tomava o meu pequeno-almoço, já algo tardio, ia lendo, como habitualmente, as manchetes do dia e eis que surge uma que dizia:

Ficaram colocados 24 mil professores. Listas nunca saíram tão cedo.

 

Ai ficaram? Pensei eu.

E fiquei ali a pestanejar enquanto tentava raciocinar. E eis que se fez luz. Seria possível que as listas de colocação já tivessem saído? Elas que saem sempre no final de agosto/princípio de setembro?! E lá fui, desconfiada, ao site da DGAE.

E lá estavam elas. 

Sexta-feira. 16 de agosto. Nunca as listas de colocação de professores saíram tão cedo.

Dirão as más línguas que o governo tentou desviar as atenções da greve. Ou que como é ano de eleições procuram sempre ficar bem vistos. 

Independentemente da razão, a verdade é que a manchete não podia estar mais certa. Nunca as listas saíram tão cedo. O que significa que nunca antes os professores, (contratados, entenda-se), tiveram a oportunidade de gozar parte das suas férias com a tranquilidade de saber o seu futuro. Nunca tiveram tanto tempo para procurar casa ou saber em que escola terão de matricular os seus filhos. 

Portanto, mesmo que exista uma razão política obscura para a saída das listas muito mais cedo do que o previsto, a verdade é que ficamos todos a ganhar com isso. É muito mais fácil garantir um arranque de ano letivo tranquilo, sabendo os docentes de antemão onde serão precisos. 

(Imagem aqui)

 

Quanto a mim, fiquei a saber que este ano faço falta pertinho de casa. Ainda bem. 

 

Agora? Agora vou gozar verdadeiramente as minhas férias. 

 

29
Jan19

Um assunto que me preocupa realmente

C.S.

Quem me visita com regularidade sabe a minha profissão, mas também sabe que eu não falo muito dela. Lá me queixo da instabilidade que lhe é inerente , dos concursos, de uma ou outra conversa tola à hora de almoço, mas pouco mais. 

 

Porquê? Por várias razões, desde o facto de este ser um espaço onde gasto algum (muito?) do meu tempo livre e, como tal, julgo que seja normal que me queira afastar dos assuntos profissionais, por outro lado, tenho bem definida na minha cabeça a ideia de que trabalho com menores e que o que acontece na escola não deve ser exposto, (ao contrário daquilo que muita gente faz, não é verdade? Sim, refiro-me, por exemplo, às fotos de respostas absurdas que os alunos dão nos testes e que volta e meia são colocadas nas redes sociais.). Sou completamente contra esse tipo de exposição, ainda que os alunos não sejam identificados. Acho um ato desses uma grande falta de ética. Mas cada um sabe da sua própria consciência. 

 

Mas esta conversa toda para quê? Para vos dizer que vou abrir uma exceção. Eu dou aulas há cerca de 10 anos e, neste momento, há algo que me assusta verdadeiramente nas escolas. Nada mais, nada menos, que o comportamento dos alunos. (Atenção! Aquilo que vou escrever a seguir prende-se com a minha experiência. Não quero com isto dizer que o mesmo está a acontecer em todas as escolas do país. Até porque em 10 anos eu passei apenas por 12 escolas.)

 

Nestes últimos dez anos tenho verificado que o comportamento dos miúdos, de um modo geral,  se tem alterado neste sentido: têm aumentado os comportamentos de ansiedade, depressão e agressividade e diminuído a capacidade de tolerância, de procurar superar problemas e reagir perante uma dificuldade. Os meninos dizem com extrema facilidade "não sou capaz" e "não sei", mas raramente pronunciam as palavras "vou tentar", "eu ajudo-te" ou "vou conseguir". 

 

O que é isto me demonstra? Que apesar de vivermos numa sociedade onde existe o culto da beleza física, estamos a esquecer de cultivar os egos e isto é preocupante. Estaremos perante uma geração de desistentes, desinteressados e incapazes? Não me parece. Pelo menos recuso-me a acreditar em tal facto. Mas a verdade é que vejo diariamente crianças derrotadas. 

 

Faço muitas vezes uso do reforço positivo, talvez não tantas como deveria, mas é uma preocupação que tenho, porque efetivamente sou levada a crer que muitas das crianças com quem convivo deixaram de ser estimuladas nesse sentido. 

 

Serei eu que tenho andado só por escolas onde este fenómeno é mais visível? Pode ser. Mas a verdade é que as escolas estão cada vez mais heterogéneas, havendo de tudo um pouco. O melhor, o pior e o médio. Por isso, se existe de tudo um pouco, não me parece que seja um problema único e exclusivo da região do país em que trabalho. 

 

E pensam vocês: "Mas, C.S., não há bons alunos? Não há os que ainda demonstram entusiasmo com a aprendizagem?". Há claro que há. Mas a verdade é que são cada vez menos. Cada vez mais raros. 

 

A resolução deste assunto passará apenas pelas escolas? Não me parece... Creio que este problema terá que começar a ser resolvido em casa e até acho que este problema deveria ser assumido, também, pelas entidades governamentais. Mas isso... Isso é tema para outra conversa. 

(Imagem aqui)

E para terminar deixo-vos este link e este

03
Set18

Hoje é dia de recomeçar

C.S.

8f48d83449e51036ad40bd8be4175ef2.jpg

                  (Imagem de Pinterest)

 

Segunda-feira, primeiro dia útil de setembro, um dia para recomeçar. 

Desde quinta-feira passada que sei qual a escola que este ano me calhou em sorte, terei de fazer algumas dezenas de km para chegar lá, mas não é o ano em que estou mais longe de casa, por isso é ótimo.

Tenho trabalho por mais um ano. Um ano cheio de aventuras e novos projetos. Um ano de adaptações e novos conhecimentos.

Um ano novo. Novinho. A estrear. O coração bate sempre mais forte quando iniciamos algo novo. Há um misto de alegria e receio, creio que é essa a composição da expectativa.

Hoje é dia de ir. 

Hoje é dia de recomeçar. 

Wish me luck! 🤞

05
Out17

5 de outubro - Dia Mundial dos Professores

C.S.

Acredito que se há profissão sobre a qual todos têm opinião é a de professor, isto porque todos contactamos com ela.

 

Há quem os adore, quem os deteste, quem não queira saber deles para nada e quem os procure com frequência.

Há quem os admire e quem não lhes veja nenhuma qualidade.

Há quem só queira ver-se livre deles e há os que partem com saudades.

Há quem ache que não fazem nada e quem defenda o contrário.

Há quem lhes dirija a sua raiva e frustração e há quem veja neles um ombro amigo.

 

Há de tudo...mas não há quem lhes seja indiferente.

 

Hoje, 5 de outubro, é dia dos professores.

 

(Imagem aqui)

 

 

 

 

12
Set17

É apenas uma opinião pessoal

C.S.

Andava eu dar uma vista de olhos nos destaques do sapo, quando me deparo com um texto que foi escrito a propósito do regresso às aulas.

A pessoa em questão decidiu escrever sobre os seus piores professores, diz que também teve muito bons professores, mas escolheu falar dos piores.

E eu pensei: "Vamos lá ler isto, é sempre engraçado ver alguém a tentar satirizar os professores, esses desgraçados que têm uma vida tão facilitada e que são tão bem pagos pelo que fazem e ainda recebem o reconhecimento geral da população.".

Agora a sério, li porque tenho noção que os professores não são perfeitos, têm falhas, não estão todos ao mesmo nível de conhecimentos e há os que têm mais ou menos jeito para lidar com crianças/adolescentes. É do conhecimento geral que em todas as áreas temos bons e maus profissionais ou viveríamos no mundo perfeito. Mas não estava preparada para este texto.

São descritas situações graves, que jamais deveriam acontecer numa sala de aula, mas que, pelos vistos, aconteceram. Contudo, não me deixa de chocar o tom de todo o texto, que não só denuncia situações estranhas, mas que goza com aspetos físicos dos "personagens" narrados ou com a forma como se vestiam. Chega a desejar que um antigo professor esteja morto. Uma pessoa que, segundo as palavras da autora da narrativa, foi expulsa da escola (e bem!!!) onde lecionava, ou seja, que terá sofrido as consequências do seu ato de loucura, (que acredito que tenham sido maiores que esta expulsão). Mas haverá necessidade de desejar-se a morte a alguém? É quase como uma concordância com a pena de morte.

Talvez eu esteja errada em achar que isto é incorreto, mas não consegui evitar vir dar-vos a minha opinião. Creio que há demasiado ódio nestas palavras e aquilo que eu julguei ser uma sátira é, na verdade, um texto maldoso.

28
Ago17

Acabaram-se as férias...mas só na teoria...

C.S.

Teoricamente estarei de férias até quinta-feira, dia 31 de agosto. Mas sinto que já não estou a viver o clima de férias. Porquê?

É fácil responder, porque à minha volta, todas as pessoas que preenchem os meus dias já voltaram aos seus trabalhos e às suas rotinas.

E agora vocês devem estar a pensar... "Sorte a tua, C.S., tens mais férias no mês de agosto que todos os outros.".

Eu até concordaria com este pensamento se não soubesse já, (desde sexta-feira), que no dia 1 de setembro o único sítio onde poderei ir apresentar-me é num centro de emprego para requerer o subsídio de desemprego.

Não fiquei colocada...e há muito tempo que isto não me acontecia.

Como se lida com isto?

Não sei bem dizer-vos, pessoalmente, fui apanhada de surpresa e não senti nada de muito intenso, disse a mim própria que ainda irão sair muitas listas e que alguma terá um lugar para mim. Talvez...

"E se não tiver?" - pensei. Se não tiver, que se lixe!

Não há como não sentir alguma injustiça nisto tudo, porque há dois meses atrás estava ligada a uma escola e todos os dias tinha trabalho para fazer, para ontem, que exigia a minha presença e não outra qualquer. Depois mandam-nos de férias e já somos descartáveis. E a forma como tudo se processa é-nos completamente alheia, não há nada que possamos fazer, a não ser esperar e ter sorte.

Isto é de tal forma que, alguém que se apresente numa escola, que tenha as piores turmas, o horário mais complicado que poderia ser feito, não se pode queixar, não se queixa, porque irá certamente ouvir: "Não te queixes, imagina quantos estão desempregados e quereriam estar no teu lugar". Eu sei. Já passei por isto. E nada faz sentido. Muitas vezes agradecemos o facto de nos darem o pior, porque somos professores contratados e somos descartáveis. Não há um professor contratado neste país que não saiba a sua condição e o que ela implica.

Digo-vos que eu lidei e lido bem com a situação. Ou estou a lidar. Imaginem esta minha sorte mas vivida por uma mãe solteira com dois filhos a cargo, dois filhos de 13 e 8 anos, (conheço uma colega minha nesta situação)...e tantas outras. Cada uma entregue à sua sorte. Cada uma à espera que lhe calhe. Cada uma a ter que lidar com a sua sentença.

Bem-vindos ao ano letivo 2017/2018, onde a maioria dos professores estão desempregados.

(Imagem aqui)

 

25
Jul17

Sobre isto de se ser (candidato a) professor em Portugal

C.S.

E se, antes mesmo das vossas tão apetecíveis férias começarem, a única certeza que tivessem fosse a certeza de que quando as férias terminassem não teriam lugar para onde regressar?

E se isto não fosse uma suposição e fosse o que acontece, ano após ano, aos professores contratados do nosso país? 

 

Um dia Nuno Crato disse que os professores contratados não são professores, não candidatos ao lugar de professor. Não deixa de ter razão...

 

É verdade...

Ainda não fui de férias e já hoje sou confrontada com a realidade de ter de fazer uma lista de lugares para onde poderei (ou não) ser chamada para trabalhar no próximo ano letivo.
 

Ainda amanhã tenho uma reunião, às 10h, à qual não posso faltar, e já hoje tenho de me confrontar com os "ses" futuros...

- E se não concorro para longe de casa e fico sem trabalho?

- E se concorro para longe de casa e fico com uma depressão?

- E se concorro mal? 

- E se há menos vagas?

- E se já não me apetecer mais ser professora?

- E se quiser ser professora e o ministério não me quiser nunca mais?

- E se não apareço nas listas do início de setembro? 

 

Tantos "ses"... E eu só quero ir de férias...

 

Está inaugurada a época do stress pós-ano-letivo.

 

(Imagem aqui)

22
Jun17

Desabafos

C.S.

Sinto-me estranha. Há vários dias que me sinto assim.

Os últimos dias têm sido ricos em acontecimentos, alguns que jamais serão esquecidos e outros que daqui a uns tempos talvez já ninguém se lembre que aconteceram. E, no entanto, não me tem apetecido vir aqui opinar sobre nada disto. Eu que tenho sempre uma opinião, tenho andado bastante calada.

Tenho evitado as notícias, mas hoje em dia elas chegam-nos sem qualquer aviso, até

no telemóvel recebemos "as últimas".

Sou incapaz de compreender o fascínio que há em escrutinar as histórias dos infelizes que perderam a vida naquele impiedoso incêndio.

Não tenho capacidade para assimilar que Judite de Sousa, que passou por uma tragédia pessoal, vá fazer notícias junto de cadáveres, apontando para eles, numa frieza incompreensível. Também me deixa atónita que a tvi, entre tantos jornalistas que tem, tenha decidido escolher, para descer aos infernos, uma pessoa que psicologicamente não está a 100%, lutando ainda com os seus dramas pessoais.

Fico literalmente de boca aberta, pasmada, quando ao fazer zapping me deparo com uma outra senhora jornalista, esta da sic notícias, que em direto vai contando os passos que separam a igreja onde estão a decorrer as cerimónias fúnebres, de uma das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande, da entrada do cemitério e durante a curta caminhada vai lamentando que esteja do lado de fora da igreja, por a cerimónia ser privada.

E eu sinto-me estranha com tudo isto.

Depois temos uma Ministra da Administração Interna que gosta de recusar ajudas em tempos de verdadeira crise e caos. Temos gente que aponta o dedo aos GNR, por não cortarem todas as estradas, aos bombeiros, por não serem tão céleres quanto deviam, à meteorologia, porque não previu a queda do raio...

Há gente que fala na tv e que diz que o que faz falta ao país são engenheiros florestais, num discurso oportunista para vender uma profissão do seu interesse.

E eu fico mal disposta com tudo isto.

E são as greves de professores que são verdadeiros tiros no pé e são as fugas de informação sobre os exames nacionais e são os jornalistas que confundem publicidade com notícias e são prazos para cumprir e é um calor dos diabos...

E a mim apetece-me fugir. Dói-me a atualidade e a realidade.

 (Imagem aqui)

 

Desculpem-me, mas hoje não haverá Às quintas viajamos..., voltará na próxima semana.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D