Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há mar em mim

05
Set22

Carta Aberta ao Ministro da Educação e a Todos os Sindicatos de Professores

C.S.

Tenho 35 anos, quase 36 e sou professora desde 2008. Escrevo esta carta aberta movida pelo cansaço. Sim, estou cansada depois de um mês de férias. Estou cansada, tal como tantos dos meus colegas espalhados pelas escolas do país. Estou cansada de um governo que não respeita minimamente os professores. E estou cansada dos sindicatos também. É esta a dura verdade. Porque neste momento sentimo-nos sós e sentimos que ninguém nos representa. Somos tantos e parece que ninguém compreende a nossa situação. Não é triste? Sentir solidão numa das profissões que lida com mais gente. Triste paradoxo. 

Não é triste ter que iniciar mais um ano letivo com um sentimento de derrota? Não é triste querer fazer algo, o que for, mas constatar que todos nos queixamos mas ninguém se levanta. Porque achamos que não servirá de nada, dizemos. Repetimos. Enquanto tomamos mais um café amargo e engolimos as mágoas e o orgulho.  

Sabem como cheguei aqui? Como cheguei ao ponto de vos escrever estas linhas? Vou-vos contar. Porque todos os anos, em todas as escolas por onde já andei, sei de mais um professor que sucumbiu à depressão. Coitado, dizemos. Enquanto vamos pensando quando chegará a nossa vez. 

Cheguei aqui porque os concursos de professores são esgotantes e injustos. Tremendamente injustos. Com mudanças das regras todos os anos, não havendo um mínimo de respeito pelas vidas das pessoas. Com ultrapassagens que geram discórdia. (Supostamente temos concursos de 4 em 4 anos, mas as leis mudam anualmente. Que lógica é esta?). 

Cheguei aqui porque atravessámos uma pandemia, custeando do nosso bolso as aulas em casa, fazendo tudo o que estava ao nosso alcance para que os nossos alunos passassem por ela o menos lesados possível. 

Cheguei aqui porque cada vez me pedem mais. Mais papéis. Mais reuniões. Mais formações. Mais formas de diversificar as aulas. Mais, mais, mais... Sem querer saber como. Como é que o conseguimos fazer? Já pensaram? Claro que é em detrimento da nossa vida pessoal e dos nossos interesses. Anulamo-nos para fazer acontecer. Anulamo-nos para que as escolas não parem. 

Cheguei aqui porque a inflação continua a sua escalada e os salários não aumentam. Mas temos de continuar a atestar o depósito para ir trabalhar longe de casa com um sorriso no rosto. 

Cheguei aqui porque gostar dos alunos não chega. Gostar de ensinar não chega. Ser bom comunicador não chega. E sabem porque não chega? Porque a despensa de casa não se enche com sorrisos e abraços. 

E já chega da conversa de que os professores são missionários. Não são. Os professores são pessoas normais, com problemas reais, salários que não pagam o seu trabalho e estão tremendamente cansados e descontentes. E só não sabem como demonstrá-lo. 

 

escola-2.png

(Imagem aqui)

03
Set19

Em setembro recomeço!

C.S.

Setembro. Acabaram-se as férias. E digo-o sem qualquer mágoa. Que hoje é dia de recomeçar! E para recomeçar quer-se alegria e entusiasmo, que uma pessoa não deve enfrentar a vida de outra forma. 

Em breve farei um post sobre a viagem que fiz do sul ao Douro e Centro de Portugal. No meu Instagram fui colocando fotos e fazendo alguns stories, podem - e devem! - ir lá espreitar. Mas será aqui que deixarei as minhas emoções e dicas. 

E para vos colocar na expectativa do que aí vem, deixo-vos esta pequena reflexão, que escrevi ontem, acompanhada de foto. 

 

O ser humano nunca será perfeito. E daí? O imperfeito é mais atrativo, no sentido em que não é previsível e a luta pela perfeição mantém-nos atentos.

Não podemos baixar a guarda porque todos os dias recebemos notícias das atrocidades que nós, humanos, somos capazes de fazer. Por isso continuamos a lutar contra os nossos instintos, a lutar por melhores valores, a lutar pelo que acreditamos... A lutar pela perfeição. Que é inatingível. Mas que nos mantém focados. 

O segredo estará em saber que nunca seremos perfeitos, mas que a beleza da vida reside no caminho que traçamos em busca do melhor de nós. 

IMG_20190902_110932_590.jpg

As Galerias Imperfeitas foram o que mais me impressionou no Mosteiro da Batalha. Inacabadas, é certo. Mas completamente perfeitas na sua imperfeição. 

 

E agora que já me vieram visitar, vão lá ter um ótimo dia, gente gira!

Eu vou agora para a minha escola nova. O meu novo local de trabalho durante os próximos onze meses. E sinto receio e entusiasmo na mesma medida. Não é tão bela a vida?! Vamos lá!...

 

 

 

 

29
Abr19

À segunda recomeçamos...

C.S.

Hoje foi dia de voltar ao trabalho.

A viagem a Marraquexe terminou na madrugada de domingo e eu hei de falar-vos dela. Mas não hoje, que ainda a estou a processar. Tal como ainda estou a processar o episódio de ontem de Game Of Thrones. Que série... Que genialidade!

Mas hoje é dia de voltar ao trabalho, às rotinas, às obrigações... Espero que este regresso não me consuma todo o tempo e me volte a afastar daqui por tempo indeterminado. Espero. 

Quero tanto ter mais tempo para mim.

Tempo para respirar.

Tempo para sentir que não sou consumida pelo meu trabalho. 

Porque eu sou mais do que a profissão que exerço. 

Somos todos.  

 

Espero que a vossa segunda esteja a ser boa. 

Até breve...

 

Fiquem com esta:

 

03
Set18

Hoje é dia de recomeçar

C.S.

8f48d83449e51036ad40bd8be4175ef2.jpg

                  (Imagem de Pinterest)

 

Segunda-feira, primeiro dia útil de setembro, um dia para recomeçar. 

Desde quinta-feira passada que sei qual a escola que este ano me calhou em sorte, terei de fazer algumas dezenas de km para chegar lá, mas não é o ano em que estou mais longe de casa, por isso é ótimo.

Tenho trabalho por mais um ano. Um ano cheio de aventuras e novos projetos. Um ano de adaptações e novos conhecimentos.

Um ano novo. Novinho. A estrear. O coração bate sempre mais forte quando iniciamos algo novo. Há um misto de alegria e receio, creio que é essa a composição da expectativa.

Hoje é dia de ir. 

Hoje é dia de recomeçar. 

Wish me luck! 🤞

09
Jan17

2016

C.S.

Bem sei que hoje já é dia 9 de janeiro. Que 2016 já lá vai e que quase ninguém tem saudades dele.

Foi um ano meio louco, é verdade. Um ano que levou muitos ícones dos nossos tempos, eu detesto-o por ter permitido que um vilão digno de banda desenhada tenha tomado as rédeas do mundo, mas dedico-lhe estas primeiras palavras porque eu não me despedi dele convenientemente e, a título pessoal, posso-vos confessar que não foi um ano mau.

Permitiu-me conhecer sítios novos, fazer algumas coisas pela primeira vez, dar umas belas gargalhadas, sempre em boa companhia, estar com a família e os amigos e, sobretudo, marcou-me porque foi um ano que me pôs a pensar de onde vim, onde estou e onde quero chegar. Não tenho a certeza de ter conseguido as minhas respostas, mas o que interessa são as interrogações que ficaram.

2016 teve a capacidade de me demonstrar algo que eu tinha esquecido algures no tempo, mostrou-me aquilo a que eu gosto de me dedicar. Como foi possível que eu tenha esquecido? É uma incógnita. Mas o que interessa é o presente, onde estamos, e 2016 mostrou-me o quanto cresci, despertou-me de alguma forma e isso, julgo eu, é motivo mais que suficiente para lhe estar grata.

Agora quero abraçar estes 2017, que para mim chegou bastante nublado, e fazer com ele nada mais, mais menos do que aquilo que me apetecer. E hoje apeteceu-me iniciar um blog.

Bem-vindos a esta aventura.

InstagramCapture_c6001b53-0e8b-4817-a152-9f7f02fbc

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Direitos de Autor

Todos os textos contidos neste blog, regra geral, são da minha autoria e, caso não sejam, serão devidamente identificados. Qualquer reprodução de um texto aqui publicado só poderá ser feita mediante a minha autorização. Para qualquer contacto ou esclarecimento adicional: hamaremmim@gmail.com Obrigada

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D